Condutor que atropelou e matou Wildislaine vendeu carro após acidente e polícia busca comprador

Veículo foi vendido várias vezes em menos de 1 mês
| 06/07/2022
- 15:42
Condutor que atropelou e matou Wildislaine vendeu carro após acidente e polícia busca comprador

O veículo VW Gol, cor branca, modelo antigo, que estava sedo conduzido por um motorista que tinha uma mulher e uma criança como passageiros, que atropelou e matou a motociclista Wildislaine Andrade Galvão, de 29 anos, já foi identificado pela polícia. O automóvel foi comercializado várias vezes após o acidente.

Segundo o delegado Rodolfo Daltro, da 5ª Delegacia de Polícia Civil, que investiga o caso, o que falta é identificar o condutor que estava na direção do veículo no dia do acidente. A polícia busca junto ao Detran (Departamento Estadual de Trânsito) descobrir para quem foi gerado o documento.

Após isso, a polícia irá chamar o proprietário do veículo para prestar depoimento, na tentativa de descobrir para quem ele teria vendido o veículo, até chegar no motorista que estava na direção no momento em que atingiu Wildislaine, que deixou cinco filhos.

Acidente

Wildislaine foi a 43ª pessoa que morreu só em 2022, no trânsito de Campo Grande. Ao total, são 30 motociclistas, segundo os números da Agetran (Agencia Municipal de Transporte de Trânsito).

O acidente ocorreu no final da tarde do dia 18 de junho, por volta das 17h, quando Wildislaine seguia em um Honda Fan pela Avenida Thyrson de Almeira, no bairro Guanadi, mas, quando estava próximo da avenida Georges Chaia, foi atingida por um veículo VW Gol, o condutor que estaria em alta velocidade fugiu do local sem prestar socorro a vítima.

Testemunhas relataram à polícia, que a motociclista seguia pela via sentido Bairro/Centro quando foi atingida pelo carro na traseira. O veículo teria perdido o controle em uma curva já que estava em alta velocidade.

Wildislaine
Velório de jovem de 29 anos é marcado por dor, comoção e revolta | Foto: Henrique Arakaki | Midiamax

Inconsoláveis

No velório, os familiares estavam inconsoláveis. e irmão de Wildislaine se apoiavam em prantos.

Amigos ouvidos pelo Jornal Midiamax detalharam que Wildislaine era esforçava e que estudava no contraturno do expediente de trabalho para ter mais qualificação e, consequentemente, um emprego melhor. Ela trabalhava com serviços gerais para uma empresa privada, com atuação em uma UBS (Unidade Básica de Saúde) de Campo Grande.

O apego aos estudos e a vontade de crescer profissionalmente marcaram a cerimônia de despedida: Wildislaine foi velada com o fardamento do curso profissional que fazia. "Ela estava fazendo esse curso de auxiliar de dentista, ela queria muito isso. Era uma mulher jovem, cheia de vida e de expectativas, e foi embora dessa forma", comentou um amigo da vítima.

Wildislaine deixou cinco filhos

Além do esposo, Wildislaine também deixa 5 filhos, que só souberam do falecimento trágico da mãe neste domingo (19). "A última coisa que eles disseram para ela foi perguntar que horas ela voltava, e ela disse que já voltava. Dez minutos depois recebemos a notícia", relatou uma familiar.

Conforme o boletim de ocorrência da Polícia Civil, testemunhas viram um homem e uma mulher no veículo que colidiu contra Wildislaine, mas não conseguiram anotar a placa. O registro detalha que há um radar 100 metros após o local do acidente, que poderá ajudar nas investigações.

A jovem foi a 43ª vítima fatal no trânsito de Campo Grande em 2022 — a segunda mulher apenas no feriado. Ao total, são 30 motociclistas, segundo os números da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito).

Veja também

A Prefeitura de Campo Grande retoma as obras de recapeamento na Rua Rui Rui Barbosa,...

Últimas notícias