Polícia

Soldado que escoltava ‘fujão’ da Santa Casa também esteve em resgate de preso no Pênfigo

A soldado da Polícia Militar, que chegou a ser presa após fuga de um detento que era escoltado na Santa Casa de Campo Grande na quarta-feira (3), já passou por situação de resgate de preso. Ela fazia a escolta de Mário Marcio Oliveira Santos, que foi resgatado por homens fortemente armados do Hospital do Pênfigo, […]

Renata Portela Publicado em 03/02/2021, às 13h31 - Atualizado em 04/02/2021, às 09h18

Preso foi resgatado do hospital (Arquivo)
Preso foi resgatado do hospital (Arquivo) - Preso foi resgatado do hospital (Arquivo)

A soldado da Polícia Militar, que chegou a ser presa após fuga de um detento que era escoltado na Santa Casa de Campo Grande na quarta-feira (3), já passou por situação de resgate de preso. Ela fazia a escolta de Mário Marcio Oliveira Santos, que foi resgatado por homens fortemente armados do Hospital do Pênfigo, em setembro de 2016.

Conforme aponta o relatório do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco e Resgate a Assalto e Sequestros), a policial e outro militar faziam a escolta do detento naquele dia. Por volta das 8 horas do dia 21 de setembro de 2016, quatro homens fortemente armados com pistolas e espingarda invadiram a recepção do hospital.

Eles renderam a soldado e o outro militar e fugiram com Mario Márcio em um Corolla com placas de Uberlândia. O carro ainda foi abandonado momentos depois no Coophavilla II. Na fuga, os policiais militares da Escolta também tiveram as pistolas roubadas pelos bandidos. O responsável pelo resgate foi identificado na época como Junior Cezar Souza, evadido.

Depoimento

Soldado que escoltava ‘fujão’ da Santa Casa também esteve em resgate de preso no Pênfigo
Câmeras flagraram a ação (Foto: Arquivo)

Em relato, a militar informou que estava há aproximadamente um ano na Escolta e que tinha sido escalada para acompanhar os detentos da Máxima que fariam exames no Pênfigo. Os internos tinham exames marcados, sendo um deles Mario Márcio. Enquanto levava o preso para o atendimento, ela foi abordada.

“Pro chão, perdeu”, teria dito o criminoso. A militar afirmou que preferiu não reagir eu dos homens a jogou no chão, quando teve uma arma apontada para a cabeça. Mario Márcio permaneceu foragido desde então.

Fuga da Santa Casa

Segundo o depoimento do cabo que estava escalado para o serviço, ele teria ido descansar no seu ‘quarto de hora’, entre as 2 horas da madrugada e as 5 da manhã, ficando a soldado responsável pela custódia do detento. Ele foi para o carro, que estava cinco andares abaixo e mais de 80 metros de distância do preso.

A soldado contou que ficou no quarto com o preso e que após os enfermeiros aplicarem a medicação às 4h30 da manhã e depois de 10 minutos, o detento pediu para ir ao banheiro, sendo que foi conduzido pela soldado, sem algemas. Ela ficou do lado de fora do banheiro. Mas, como o preso estava demorando, a militar resolveu entrar no banheiro e ele já havia fugido.

Em depoimento, a soldado contou que não havia por onde o detento sair, mas que em determinado tempo se distraiu mexendo em seu celular. Foi feita uma varredura no hospital em busca pelo preso, que segue foragido. Ele estaria cumprindo pena por estupro de vulnerável.

Os dois militares foram autuados em flagrante e foram levados para o Presídio Militar, mas acabaram liberados na audiência de custódia desta quarta-feira (3).

Jornal Midiamax