A embarcação que naufragou no dia 15 de outubro não tinha autorização para transporte turístico na Capitania dos Portos, da Marinha, e nem no Cadastur (Cadastro de Prestadores de Serviços do ). A informação foi repassada pela (Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul). 

Naufrágio x resgate

O corpo de Fernando Rodrigues Leão, de 44 anos, estava preso na embarcação e foi a última vítima a ser resgata no dia 17 de outubro, pelos bombeiros. No barco estavam 21 pessoas e sete delas morreram.

Quatro dos sete ocupantes da embarcação que desapareceram após naufrágio, no dia 15, eram da mesma família. Geraldo Alves de Souza, Olímpio Alves de Souza, Fernando Gomes de Oliveira, Thiago Souza Gomes pescavam em Corumbá quando a tragédia aconteceu. Um amigo da família, Fernando Rodrigues Leão também estava a bordo e faleceu.

Todas as cinco vítimas são de Rio Verde de Goiás e estavam em Corumbá para pescar. A Prefeitura de Rio Verde decretou luto oficial de três dias por conta do ocorrido. Os corpos dos irmãos Geraldo Alves de Souza, de 78 anos, e Olímpio Alves de Souza, de 71; Fernando Gomes de Oliveira, de 49 anos, e o filho dele, Thiago Souza Gomes, de 18 anos, foram transportados por aeronave da FAB (Força Aérea Brasileira) até Goiás. 

O acidente aconteceu devido à chuva e fortes ventos que chegaram a 64 km/h em Corumbá e ocorreu na região do Tagiloma, distante 5 km de Porto Geral. Um vídeo mostra pessoas em cima do casco da embarcação logo após o naufrágio.