Polícia

Com tiros e explosões, PM de Campo Grande vai simular ação do novo cangaço durante a madrugada desta 6ª

Maior exercício simulado da PM acontecerá no Coronel Antonino

Fábio Oruê Publicado em 14/10/2021, às 19h14

Casos no novo cangaço foram registrados em Chapadão do Sul
Casos no novo cangaço foram registrados em Chapadão do Sul - Foto: Divulgação

A PM (Polícia Militar) vai executar o maior exercício simulado da sua história na madrugada desta sexta-feira (15), na região do bairro Coronel Antonino, em Campo Grande. A ação vai simular o assalto a bancos no estilo do novo cangaço. 

Conforme informações da PM, o ESReMAC (Exercício Simulado De Resposta a Múltiplas Ações Criminosas) tem por objetivo, simular e empregar todos os meios operacionais da polícia, bem como os colaboradores, para responderem a ataques criminosos do tipo novo cangaço e domínio de cidades.

Isto porque essas modalidades de crimes vêm crescendo no Brasil e já atingiram estados próximos, como São Paulo, Santa Catarina e Paraná. As ações dos grupos criminosos perpetradas nestes estados geraram pânico e medo na população, e em alguns locais houveram vítimas fatais, entre policiais e a população local.

No exercício que será realizado nesta madrugada em Campo Grande terá a duração de aproximadamente 4 horas e serão simulados ataques a instituições financeiras por meio de figurantes. A partir deste momento, com o acionamento da PM, terá início o plano de resposta a este tipo de modalidade criminosa.

Na ação, serão envolvidos na ação 1,2 mil policiais militares e tem previsão de início às 3h. "Ocorrerá naquele local tiros simulados, explosões e alguns atores da Polícia Militar realizandoa a função do criminoso numa ação como essa", explicou o Major Souza, comandante no Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais).

O plano foi desenvolvido por especialistas da PM e tem como objetivo responder de forma rápida a essa modalidade violenta de crime, envolvendo toda a estrutura operacional da PM, além da integração com outras instituições como a PRF, polícias Civil e Federal, Guarda Civil Metropolitana, Corpo de Bombeiros, Associação dos Comerciantes, CCR e outros colaboradores civis que permanecerão sob sigilo para preservação da segurança de cada um dos participantes.

Jornal Midiamax