Polícia

Bandido que morreu em confronto com o Choque levava carro para a Bolívia

Carro foi roubado de um motorista de aplicativo que acabou sequestrado

Thatiana Melo e Dayene Paz Publicado em 07/06/2021, às 10h06

None

O carro Volkswagen Gol, que foi roubado por bandidos de um motorista de aplicativo na madrugada de sábado (5), na Vila Nhanhá em Campo Grande seria levado para a Bolívia, segundo o major Rocha do Batalhão de Choque. Um dos ladrões, Eryckson Catani da Silva, de 31 anos, morreu em confronto com a PM.

Os outros dois bandidos fugiram e ainda não foram encontrados. De acordo com o major Rocha entre maio e junho foram cinco mortes por confronto com o Choque e desde o começo do ao foram cerca de 500 presos e mais de 100 armas apreendidas. Não se sabe o valor pelo qual o carro seria negociado na fronteira.

Eryckson tinha passagens por tráfico de drogas em 2014. Quando preso em 2014, Eryckson disse que ele e um comparsa foram contratados por um homem que se identificou como "Terror", para fazerem papel de batedor para um carregamento de droga. Ele contou que o entorpecente saíria de Coronel Sapucaia com destino a cidade de Vitória (ES) e pelo serviço receberiam R$ 6 mil.

Ele morreu em confronto neste fim de semana quando policiais do Batalhão de Choque já faziam buscas aos suspeitos do roubo ao motorista de aplicativo. Os bandidos foram abordados quando fugiam pela BR-262, já no trecho de Terenos, a 30 quilômetros de Campo Grande. Um dos envolvidos disparou contra os policiais, que também revidaram e ele acabou atingido. Eryckson chegou a ser socorrido, mas não resistiu. O carro foi recuperado.

Jornal Midiamax