Polícia

‘Rota Vigiada’: Alvo de operação quebra celular antes da chegada do Gaeco e é preso

Foi preso em flagrante na manhã desta quinta-feira (5) Bruno Luiz Armada Capistrano Fagnello, de 24 anos, durante a Operação Rota Vigiada. Ele foi detido em casa em Itaquiraí, a 402 quilômetros de Campo Grande, por quebrar o aparelho celular tentando destruir provas. A ação de combate ao crime organizado voltado para o tráfico de […]

Renata Portela Publicado em 05/11/2020, às 14h43 - Atualizado às 18h12

Equipes policiais durante a operação (Foto: Gaeco)
Equipes policiais durante a operação (Foto: Gaeco) - Equipes policiais durante a operação (Foto: Gaeco)

Foi preso em flagrante na manhã desta quinta-feira (5) Bruno Luiz Armada Capistrano Fagnello, de 24 anos, durante a Operação Rota Vigiada. Ele foi detido em casa em Itaquiraí, a 402 quilômetros de Campo Grande, por quebrar o aparelho celular tentando destruir provas.

A ação de combate ao crime organizadovoltado para o tráfico de drogas cumpriu mandados de busca e apreensão e de prisão. Na casa de Bruno, policiais militares colhiam materiais de prova para instruir a investigação criminal em andamento.

Assim, os moradores foram questionados sobre os aparelhos celulares e a esposa e mãe de Bruno entregaram, mas ele disse que não tinha. Ainda afirmou que o aparelho estava quebrado. Então, quando os policiais disseram que olhariam o histórico de conversa entre a esposa e ele, no celular, o rapaz acabou dizendo que não seria necessário.

Com isso, revelou que o aparelho estava no lixo do banheiro. Os policiais encontraram o celular quebrado e entortado e o rapaz acabou detido em flagrante. Na delegacia, foi registrado boletim de ocorrência por impedir ou embaraçar investigação de infração penal que envolva organização criminosa.

Operação Rota Vigiada

Conforme o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), as investigações tiveram início em fevereiro deste ano. Assim, através do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) foi possível identificar que a organização tem estrutura voltada principalmente para o tráfico.

Isso, de forma que havia uma clara divisão de tarefas, com motoristas, batedores e vários olheiros envolvidos no monitoramento das estradas. Isso, para identificar a fiscalização policial e garantir o sucesso dos carregamentos das cargas ilícitas de entorpecentes. Durante o período de investigações, foram apreendidos cerca de 4.700 kg de entorpecentes com membros da organização criminosa.

Dentre as prisões preventivas decretadas contra criminosos em Naviraí e Três Lagoas, está a prisão do líder da organização e demais coordenadores do grupo. Durante a manhã, foram efetuadas apreensões de entorpecentes como maconha, materiais para a embalagem de drogas, dinheiro e, também, grande quantidade de lâminas de cheque.

Houve, ainda, prisão em flagrante e a apreensão de três veículos. Foram cumpridos dezenove mandados de busca e apreensão nos Municípios de Fátima do Sul, Naviraí, Itaquiraí e Ivinhema.

A Operação Rota Vigiada contou com o apoio de equipes do DOF (Departamento de Operações de Fronteira), do Bope (Batalhão de Operações Especiais), do Batalhão de Choque, da Força Tática de Nova Andradina e da Polícia Rodoviária Estadual.

Jornal Midiamax