Polícia

Casado com sobrinha de Ozeias, Willian diz que assassino atirou quando policiais falaram sobre ouro

Ozeias Silveira de Morais executou 2 policiais em uma viatura e foi morto horas depois, em confronto com colegas dos mortos em Campo Grande.

Renan Nucci Publicado em 10/06/2020, às 17h03 - Atualizado em 11/06/2020, às 10h03

Willian foi preso ainda na terça-feira/ Foto: Via WhatsApp
Willian foi preso ainda na terça-feira/ Foto: Via WhatsApp - Willian foi preso ainda na terça-feira/ Foto: Via WhatsApp

Os policiais civis Antônio Marcos Roque da Silva, de 39 anos, e Jorge da Silva Santos, de 50 anos, foram mortos na tarde de terça (09), em Campo Grande, após questionarem Ozeias Silveira de Morais, 45 anos, sobre o ouro roubado em um assalto milionário.

O relato é de William Dias Duarte Cormelato, que estava preso na viatura onde a execução dos policiais ocorreu, e que é casado com uma sobrinha de Ozeias.

A advogada de William, Regina Lucia Diniz Gouvea Berni, disse que ele não tem envolvimento com o homicídio e nem com o roubo que os policiais da Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos) investigavam.

Segundo ela, Willian foi condenado a dois anos e 1 mês em regime semiaberto. “Ele foi preso por força de mandado de prisão de violência doméstica”, explicou.

Willian levou policiais até Ozeias

Na tarde de terça-feira, Marcos e Jorge foram até a tapeçaria onde ele trabalha, na frente da casa dele, e deram voz de prisão pela condenação por Maria da Penha. Na sequencia, perguntaram se ele conhecia Ozeias.

Ele disse que sim e, a pedido dos policiais, mostrou onde Ozeias morava. “Foi junto, dentro da viatura, e disse que lá os policiais informaram que Ozeias deveria acompanhá-los para esclarecimentos na Derf”, disse.

Ouro roubado

Os quatro então seguiam na viatura para a delegacia. No entanto, no percurso, os policiais passaram a questionar Ozeias sobre o ouro roubado. O suspeito não foi devidamente revistado e estava sem algemas.

“Eles teriam dito que seria melhor que ele contasse logo, pois poderia ter problemas caso mentisse na delegacia”, disse a advogada, com base nos relatos de Willian.

Foi então que, na Rua Joaquim Murtinho, a viatura parou no semáforo e Ozeias sacou uma arma da pochete. Em seguida, atirou na cabeça dos dois, sem chance de reação. Imediatamente, as vítimas morreram no local, antes que pudessem ser socorridas.

Fuga algemada foi flagrada em vídeo

O autor morreu em confronto com policiais horas depois, após ter sequestrado uma mulher e a obrigado a dirigir pra ele na fuga.

Após os disparos, Willian teria ficado em choque. “Quando o sangue de um dos policiais caiu nele, ele saiu do carro e fugiu também, mas foi preso ali mesmo, por perto”. A tentativa de Willian de fugir, correndo algemado, foi flagrada em câmeras de segurança da região.

Ele foi encaminhado ao Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Bancos, Assaltos e Sequestros), mas ainda não foi definido para onde será levado.

Por conta da condenação, deveria ir para a Gameleira, mas se a polícia entender que ele tem envolvimento em outro crime, irá para o Centro de Triagem.

Jornal Midiamax