Polícia

Bombeiros iniciam 4º dia de buscas por menino de 8 anos que desapareceu no Rio Anhanduí

Às 5h30 desta segunda-feira (7), bombeiros militares de Campo Grande retomaram as buscas pelo menino de 8 anos, que desapareceu no córrego do Jardim Ouro Preto, que desagua no Rio Anhanduí. Ele pescava com os irmãos na sexta-feira (4) quando foi surpreendido por uma ‘cabeça d’água’ que subiu o nível do rio abruptamente. Durante o […]

Renata Portela Publicado em 07/12/2020, às 07h42 - Atualizado às 09h45

Local onde o menino desapareceu (Arquivo)
Local onde o menino desapareceu (Arquivo) - Local onde o menino desapareceu (Arquivo)

Às 5h30 desta segunda-feira (7), bombeiros militares de Campo Grande retomaram as buscas pelo menino de 8 anos, que desapareceu no córrego do Jardim Ouro Preto, que desagua no Rio Anhanduí. Ele pescava com os irmãos na sexta-feira (4) quando foi surpreendido por uma ‘cabeça d’água’ que subiu o nível do rio abruptamente.

Durante o fim de semana, os militares desceram quilômetros do rio em caiaques, na tentativa de localizarem o menino. No entanto, até esta segunda-feira ainda não havia sinal da criança. Esperançosos, familiares também se mobilizaram nas buscas pelo menino, utilizando cordas para descerem no rio.

Bombeiros iniciam 4º dia de buscas por menino de 8 anos que desapareceu no Rio Anhanduí
Bombeiros fazem buscas em caiaques (Arquivo)

Com as chuvas, as buscas ficam mais difíceis por conta do nível do rio e também porque a água fica turva.

Desaparecimento

Na sexta-feira (4), a família foi até a casa do tio, na região do Parque do Lageado, para uma visita. Segundo vizinha, era a primeira vez que o caçula, de 8 anos, ia ao local. Com os irmãos de 12, 13 e 15 anos, ele desceu até o córrego para pescar, quando aconteceu a chegada de uma ‘cabeça d’água’.

O fenômeno ocorre quando há chuvas no curso do rio, na região do córrego, que provocam o aumento rápido e repentino do nível da água. Pouco antes das 18 horas de sexta-feira, os bombeiros foram chamados por conta do desaparecimento de pessoas no córrego.

Os dois meninos de 12 e 13 anos conseguiram sair e pediram ajuda ao tio, que foi até o rio. Desesperado, ele entrou nas águas em busca das crianças. No entanto, testemunhas informaram para os bombeiros que viram o tio e um dos sobrinhos saindo do córrego pela margem.

A princípio a informação era de que o homem, de 36 anos, e os sobrinhos de 8 e 15 anos foram arrastados para dentro do córrego e desapareceram. Horas depois, o tio e o sobrinho mais velho foram encontrados na Avenida Gunter Hans. Já o menino de 8 anos segue desaparecido.

Jornal Midiamax