Polícia

Justiça condena a 14 anos 3 meses de prisão laranja de traficantes da Serra Nevada

Foi condenado a 14 anos e três meses de prisão em regime fechado o empresário André Luiz de Almeida Anselmo, apontado como laranja da organização criminosa especializada no tráfico internacional de drogas que agia a partir de Campo Grande. O grupo foi desarticulado durante a Operação Serrada Nevada, deflagrada pela Polícia Federal em junho de […]

Renan Nucci Publicado em 02/07/2019, às 13h42

Traficantes ostentavam vida luxuosa. Foto: Arquivo/Midiamax
Traficantes ostentavam vida luxuosa. Foto: Arquivo/Midiamax - Traficantes ostentavam vida luxuosa. Foto: Arquivo/Midiamax

Foi condenado a 14 anos e três meses de prisão em regime fechado o empresário André Luiz de Almeida Anselmo, apontado como laranja da organização criminosa especializada no tráfico internacional de drogas que agia a partir de Campo Grande. O grupo foi desarticulado durante a Operação Serrada Nevada, deflagrada pela Polícia Federal em junho de 2016.

Justiça seguiu denúncia do Ministério Público Federal na Capital e também decretou o perdimento de um veículo Land Rover e de um Hyundai i30, além do pagamento de multa que ultrapassa R$ 45 mil. Ele foi considerado culpado do crime de lavagem de dinheiro. 

André atuava como testa de ferro do grupo, lidando com recursos financeiros do grupo e emprestando o próprio nome, o da esposa e o da empresa da qual era sócio, a revenda de veículos I9, para compra e ocultação de bens provenientes do lucro com o tráfico de drogas. A empresa também servia para ocultação dos veículos recebidos como forma de pagamento pela droga.

Conforme a sentença, André misturava os negócios, legais e ilegais, de forma a tentar despistar qualquer caráter ilícito da movimentação financeira do grupo, que também utilizava as contas bancárias de André e da esposa, outra forma de esconder o patrimônio e a origem dos recursos.

Operação Serra Nevada

A investigação realizada por Ministério Público Federal e Polícia Federal na operação Serra Nevada desarticulou ações de um grupo criminoso especializado em tráfico internacional de drogas com logística que envolvia o ingresso de cocaína boliviana no Brasil. A droga era arremessada de aeronaves em áreas rurais e posteriormente transportada por rodovias com destino ao estado de São Paulo, onde se localizava o núcleo criminoso dos compradores.

Durante as investigações, foram realizadas diversas apreensões de drogas e de dinheiro, além de prisões em flagrante. Ganhou destaque uma apreensão de mais de 427 kg de cocaína e outra de mais de 1,3 milhão de dólares. 

O comércio transnacional de entorpecentes garantiu aos membros do grupo uma vida de luxo e ostentação que incluía imóveis de alto padrão e veículos importados. Além de dinheiro em espécie, joias, armas e munições, a Justiça Federal decretou perdimento de um apartamento em São Paulo e de 16 veículos, que vão desde um Fiat Palio até uma Land Rover Vogue, avaliada em mais de R$ 500 mil.

Mais presos

Em janeiro deste ano, a 3ª Vara Federal de Campo Grande condenou 14 pessoas denunciadas pelo MPF no âmbito da Operação Serra Nevada. O caso chamou atenção pelo volume das ações de tráfico e lavagem de dinheiro, em especial pela ostentação da riqueza auferida com os crimes. Os principais líderes de um dos grupos criminosos, os irmãos Odir Fernando dos Santos Correa e Odacir Santos Corrêa foram condenados a 51 anos e 14 anos de reclusão, respectivamente.

Justiça condena a 14 anos 3 meses de prisão laranja de traficantes da Serra Nevada
Lista de outros réus condenados. Foto: Divulgação/MPF
Jornal Midiamax