Polícia

Preso suspeito de organizar roubo do presídio tinha celular e vai para isolamento

Durante revista pontual realizada na tarde desta segunda-feira, agentes penitenciários encontraram celular na cela de Anderson Clayton Biazon, de 31 anos, preso por tráfico de drogas no IPCG (Instituto Penal de Campo Grande).  Com passagens também por homicídio, ele é suspeito de ter coordenado pelas redes sociais, de dentro do presídio, o roubo de caminhão […]

Renan Nucci Publicado em 29/04/2019, às 17h11 - Atualizado em 30/04/2019, às 09h16

Alexandre teria sido levado de volta ao Instituto Penal de Campo Grande (Divulgação)
Alexandre teria sido levado de volta ao Instituto Penal de Campo Grande (Divulgação) - Alexandre teria sido levado de volta ao Instituto Penal de Campo Grande (Divulgação)

Durante revista pontual realizada na tarde desta segunda-feira, agentes penitenciários encontraram celular na cela de Anderson Clayton Biazon, de 31 anos, preso por tráfico de drogas no IPCG (Instituto Penal de Campo Grande).  Com passagens também por homicídio, ele é suspeito de ter coordenado pelas redes sociais, de dentro do presídio, o roubo de caminhão que terminou com um menor infrator morto e outro apreendido, além de duas pessoas presas no final de semana.

De acordo com a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário),Clayton vai responder um Processo Administrativo Disciplinar e foi levado a uma cela disciplinar da unidade. Caso seja responsabilizado, poderá ter a data base da pena, período usado para concessão de benefícios como progressão de regime, alterada. A polícia investiga se ele é o homem identificado como Colombiano, que contratou os menores por R$ 10 mil para cometerem o roubo.

Conforme noticiado, Colombiano entrou em contato com um dos adolescentes pelo Facebook no último dia 18, e fez a proposta que foi prontamente aceita. Em seguida, pelo WhatsApp, o adolescente voltou a ser contactado pleo homem no dia 25 (quinta-feira), oportunidade em que foi orientado a procurar uma pessoa no Aero Rancho, onde um indivíduo o aguardava para lhe vender um carro. O menor primeiramente se encontrou com outra pessoa no mesmo bairro, e em seguida foi até o Parque Ayrton Senna, onde comprou um Kadett por R$ 2 mil.

Na sequência, usou o veículo para buscar o motorista Hernani David de Souza, contratado para levar o caminhão roubado na fronteira, e deixá-lo na pousada até que chegasse a hora de arrastar o caminhão. Conforme noticiado, na última sexta-feira (26) um motorista de caminhão foi contratado por aplicativo de celular para a realização de um frete, ficando combinado que se encontraria com o contratante naquela mesma tarde no bairro Indubrasil, na Capital. Tratava-se, contudo, de uma armadilha de assaltantes para roubar seu veículo e levá-lo até a Bolívia.

Deste modo, no local e hora combinado, o motorista foi rendido por um adolescente portando arma de fogo e seu irmão. Eles o amarraram, vendaram-no, amordaçaram-no e levaram-no até um hotel na região central de Campo Grande, onde seria mantido em cárcere privado até que o caminhão cruzasse a fronteira pela cidade de Corumbá.

Já na pousada, os assaltantes teriam sido recebidos pela dona do estabelecimento, Vicência Corrêa, que sabia da ação e tinha sido instruída por seu marido Anderson. A mulher os levou até um quarto localizado no fundo do hotel.

Enquanto o irmão permanecia no local com a vítima, o menor infrator encontrou-se com Hernani. Juntos, dirigiram-se até o veículo que ainda estava parado na região de Indubrasil. Todavia, a polícia militar, já avisada pela denúncia anônima de um homem que teria visto o momento em que o motorista havia sido rendido, os surpreendeu.

Informada do local onde estava o proprietário do caminhão, a guarnição da polícia foi até o hotel. Houve troca de tiros e o menor armado foi atingido, socorrido, mas não resistiu. Já na delegacia, irmão menor confessou que teria sido contratado para realizar o roubo. Já o motorista preso alegou desconhecer totalmente a origem ilícita do caminhão e que também teria conversado apenas por mensagens com um homem que se dizia representante de uma transportadora. Ele receberia a quantia de R$ 3 mil para levar o caminhão até Corumbá.

Jornal Midiamax