Polícia

Carro pega fogo e polícia encontra carga de cocaína avaliada em mais de R$ 1 milhão

O suspeito responderá por tráfico internacional de drogas 

Midiamax Publicado em 10/11/2015, às 19h47

None
carro.jpg

O suspeito responderá por tráfico internacional de drogas 

A Polícia Militar Rodoviária apreendeu na manhã desta terça-feira (10) 43 quilos de cocaína que estavam escondidas dentro do compartimento do motor de um veículo boliviano. Os militares encontraram a droga depois que ajudaram o motorista a controlar um incêndio no carro na BR-262, em Corumbá, a 426 quilômetros de Campo Grande.

Conforme o site Informe MS, a equipe policial realizava ronda pela região quando se depararam com o veículo da marca Suzuki, com placa da Bolívia, pegando fogo. Imediatamente os militares pararam e ainda pediram ajuda de outros motoristas que passavam pelo local, usando seis extintores para conter as chamas.Carro pega fogo e polícia encontra carga de cocaína avaliada em mais de R$ 1 milhão

Com o fim do fogo, os militares localizaram a droga dentro de compartimento do motor. A polícia trabalha com a hipótese que um saco de lona usado para cobrir o entorpecente pode ter aquecido e iniciado o incêndio, que chegou a queimar a cocaína. A maior parte dela estava sob a carenagem do veículo que precisou ser desmontado para retirada do entorpecente.

Os tabletes foram pesados e totalizaram 43 quilos de cocaína, uma carga avaliada em R$ 1,2 milhão, se vendido na fonte. Em estados como Rio de Janeiro e São Paulo a carga pode chegar a R$ 3 milhões. O condutor do veículo confessou que receberia R$ 1 mil para levar a droga até a Rua América, no centro de Corumbá.

O homem contou ainda que entrou pela fronteira, passou pela fiscalização da Receita Federal e pelo posto da Polícia Rodoviária Federal, mas quando chegou ao entroncamento que dá acesso a cidade o fogo começou. O motorista pode pegar até 15 anos de prisão por tráfico internacional de drogas. Depois de cumprir a pena será extraditado para a Bolívia e nunca mais poderá voltar ao Brasil.

Jornal Midiamax