Polícia

Polícia pede prisão de envolvidos na morte de ex-ministro

A Polícia Civil do Distrito Federal pediu a prisão preventiva de cinco suspeitos de envolvimento na morte do ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Vilella, da mulher dele e da empregada do casal, em agosto de 2009. Quatro deles já haviam cumprido prisão temporária: a filha do ex-ministro, Adriana Villela, a vidente Rosa […]

Arquivo Publicado em 20/09/2010, às 23h34

None

A Polícia Civil do Distrito Federal pediu a prisão preventiva de cinco suspeitos de envolvimento na morte do ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Vilella, da mulher dele e da empregada do casal, em agosto de 2009.


Quatro deles já haviam cumprido prisão temporária: a filha do ex-ministro, Adriana Villela, a vidente Rosa Maria Jacques e o marido dela, João Tocheto de Oliveira, e o policial civil José Augusto Alves. Também foi pedida a  prisão da delegada Marta Vargas, primeira responsável pelas investigações.


As prisões serão decididas pelo juiz Fábio Francisco Esteves. A decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) será feita após a análise do Ministério Público do Distrito Federal.


O ex-ministro foi encontrado morto com a esposa e a empregada doméstica no dia 31 de agosto de 2009. O caso ficou conhecido como o “o crime da 113 Sul”, em referência ao endereço em que o ex-ministro morava, uma área nobre de Brasília. No início das investigações, a polícia chegou a afirmar que o suspeito do crime era “conhecido e ligado à família”.


Os corpos foram encontrados em estado de decomposição. Uma neta do casal afirmou à polícia que os avós não teriam aparecido na sexta-feira anterior à descoberta dos corpos ao escritório de advocacia que Villela mantinha em Brasília.


Mineiro da cidade de Manhuaçu, Villela tinha 73 anos. Chegou a Brasília nos anos 60. Atuou como procurador do Tribunal de Contas do Distrito Federal e, na década de 80, como ministro do TSE. Como advogado, atuou no caso Collor em 1992 e, mais recentemente, no processo do mensalão.

Jornal Midiamax