Um ataque a deixou pelo menos 22 pessoas mortas em uma pista de boliche e em um bar em Lewiston, no Estado de Maine, nos Estados Unidos, na noite dessa quarta-feira (25). De acordo com várias fontes policiais, cerca de 60 pessoas ficaram feridas no ataque, embora não esteja claro quantas ficaram feridas devido aos tiros.

O Gabinete do Xerife do Condado de Androscoggin, em Lewiston, disse em um comunicado publicado nas suas redes sociais que um suspeito continua foragido. “Estamos encorajando todas as empresas a encerrar seus locais ou fecharem enquanto investigamos”, disse o comunicado. Segundo o Xerife Eric Samson, os policiais localizaram o veículo do suspeito em Lisbon – uma cidade a cerca de sete milhas a sudeste de Lewiston – e o cercaram, mas o suspeito não estava dentro do carro.

O atirador foi primeiro na Sparetime Recreation, uma pista de boliche, onde atirou fatalmente em pelo menos sete pessoas, antes de seguir para o bar e restaurante Schemengees Bar & Grille, onde cometeu os outros assassinatos, informou o Departamento de Polícia no Facebook. Justin Juray, proprietário da pista de boliche, descreveu a cena como um “caos total”. A pista de boliche fica a cerca de 6 km do bar.

Um boletim policial identificou Robert Card, 40 anos, como uma pessoa de interesse no ataque. Card foi descrito como um instrutor de armas de fogo que se acredita estar na Reserva do Exército e designado para uma instalação de treinamento em Saco, Maine.

O documento, que circulou entre as autoridades policiais dizia que Card havia sido internado em um centro de saúde mental por duas semanas no verão de 2023. O documento não fornecia detalhes sobre seu tratamento ou condição, mas dizia que Card havia relatado “ouvir vozes e ameaças de atirar na base militar”. Um número de telefone listado para Card em registros públicos não estava em serviço.

O presidente conversou por telefone com a governadora do Maine, Janet Mills, com os legisladores Sens, Angus King e Susan Collins, e o deputado Jared Golden oferecendo “total apoio federal após esse terrível ataque”, informou a assessoria de imprensa da Casa Branca. O gabinete de King disse em um comunicado que ele está indo para o Maine em um dos primeiros voos disponíveis para oferecer apoio.

O prefeito de Lewiston, Carl Sheline, afirmou estar “com o coração partido por nossa cidade e nosso povo” em uma declaração após o ataque, informou a mídia local. “Lewiston é conhecida por sua força e coragem, e precisaremos de ambas nos dias que virão”, disse ele.

O Maine Medical Center em Portland, que possui o centro de trauma mais avançado do Estado, confirmou que recebeu um paciente transferido de um hospital de Lewiston após os ataques. Em um comunicado, o centro disse que notificou a equipe de plantão e criou uma capacidade de atendimento crítico e sala de cirurgia “em antecipação a possíveis transportes de pacientes provenientes do ataque a tiros de Lewiston”.

Devido ao que eles descrevem como uma situação dinâmica, o centro e outros hospitais da MaineHealth fecharam seus espaços para funcionários não hospitalares e não pacientes até novo aviso, disse o comunicado.

O suposto atirador parecia estar empunhando um fuzil do tipo AR-15, de acordo com fotos fornecidas pelas autoridades policiais. Aparentemente, o fuzil está equipado com uma ótica e um dispositivo que mantém dois carregadores de fuzil juntos, um dentro da e o outro ao lado, para recarga mais rápida. Armas de fogo semiautomáticas, como os fuzis do tipo AR-15, podem disparar tão rápido quanto o atirador consegue puxar o gatilho.

Ponto de encontro entre famílias

Um centro de reunificação para amigos e familiares procurarem seus entes queridos foi aberto na Auburn Middle School, disseram as autoridades, observando que conselheiros estariam no local para dar apoio. (Com agências internacionais).

Saiba Mais