O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, demitiu o ministro de assuntos internos neste domingo, informou o canal de televisão NHK. Minoru Terada, terceiro demitido em um mês, está sendo criticado por irregularidades contábeis e financeiras.

A demissão é mais um golpe para o Gabinete de Kishida. O ministro da Revitalização Econômica, Daishiro Yamagiwa, renunciou em 24 de outubro depois de enfrentar críticas por sua falta de explicações sobre seus laços com a Igreja da Unificação

Há 10 dias, o ministro da Justiça, Yasuhiro Hanashi, foi forçado a deixar o cargo após afirmar que seu trabalho só era noticiado quando assinava penas de morte.

O primeiro-ministro voltou a Tóquio no sábado após uma viagem de nove dias e aparentemente enfrentou pressão dos executivos de seu partido governista para tomar uma decisão rápida sobre Terada antes que as discussões legislativas sejam retomadas na segunda-feira.

O partido governista de Kishida precisa aprovar o segundo orçamento suplementar até março durante a atual sessão parlamentar, ao mesmo tempo em que finaliza o trabalho em uma nova estratégia de segurança nacional e diretrizes de defesa de médio a longo prazo até o final do ano.