Mundo

Campanha de ‘boas maneiras’ em transporte público gera polêmica na Ucrânia

Parodiando situações do cotidiano, o grupo criou uma série de pôsteres que foram compartilhados nas redes sociais

Gerciane Alves Publicado em 09/08/2015, às 12h51

None
campanha1.jpg

Parodiando situações do cotidiano, o grupo criou uma série de pôsteres que foram compartilhados nas redes sociais

Uma campanha para cobrar boas maneiras dos usuários de transporte público gerou polêmica na Ucrânia.

A iniciativa, que partiu de um coletivo de artistas da capital do país, Kiev, tinha como principal reivindicação incentivar homens a ceder lugar para mulheres nos coletivos, segundo o site de notícias Nash Kiev.

Parodiando situações do cotidiano, o grupo criou uma série de pôsteres que foram compartilhados nas redes sociais. Uma das imagens mostra quatro homens sentados em um vagão de metrô enquanto uma mulher permanece de pé na frente deles. Outra retrata o oposto ─ três mulheres admiram um homem de pé enquanto permanecem confortavelmente sentadas.

Por meio de um comunicado, os artistas afirmaram querer “reviver pequenas tradições que de alguma forma perdemos em nosso caminho rumo à civilidade”.

A campanha foi criada dias depois de uma foto – mostrando um homem que se recusa a ceder o lugar a uma menina de pé a seu lado – ter circulado amplamente nas redes sociais do país.

A atitude do grupo, no entanto, foi alvo de críticas de alguns usuários, que a consideraram machista e sexista.

“Há uma linha muito tênue que separa as boas intenções do machismo e do sexismo”, escreveu uma usuária no Facebook, afirmando que os assentos deveriam ser cedidos a grávidas, pessoas com mobilidade reduzida ou idosos, em vez de a todas as mulheres indiscriminadamente.

Outros afirmam que os homens não são os únicos mal-educados do transporte público.

“Mulheres novas também fingem não ver quando os idosos querem se sentar”, disse um usuário. “Quando estava grávida, os homens cediam lugar apenas para as mulheres idosas e não para mim”, acrescentou outra usuária.

Jornal Midiamax