Um dos assuntos mais comentados na web na última quinta-feira (14) foi a denúncia da cantora Luciane Dom, que afirmou ter sido vítima de racismo ao ter o cabelo revistado por um agente do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro.

Após a repercussão, a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) analisou o caso e emitiu um comunicado, dizendo que o relato da artista não procede. “Luciane Dom foi selecionada aleatoriamente para uma inspeção manual. Após averiguação interna, foi constatado por imagens de câmeras de segurança que não houve uma inspeção nos cabelos”, começou o pronunciamento.

“Um dos procedimentos previstos para garantir a segurança do passageiro e demais usuários, a realização de inspeção de segurança aleatória é prevista na Resolução ANAC n° 515, de 8 de maio de 2019. Além disso, destaca-se que os pórticos detectores de metais do aeroporto têm a capacidade de gerar alarmes aleatórios, com acionamento de forma automática ou sob ação do passageiro, para fins de controle de execução da inspeção aleatória”, informou a nota.

A Infraero afirmou ainda que o processo da revista é uma situação que pode acontecer com qualquer pessoa. “Mas é importante ressaltar que a inspeção de segurança aleatória é independente de origem, raça, sexo, idade, profissão, cargo, orientação sexual, orientação religiosa ou qualquer outra característica do passageiro… A Infraero reitera que repudia quaisquer formas de discriminação, que comportamentos como injúria racial e racismo não são tolerados nos aeroportos sob sua administração e está à disposição das autoridades competentes para os esclarecimentos que façam necessários”, pontuaram.

A cantora rebate

Após a manifestação da instituição, Luciane Dom optou por deletar o post que fez denunciando o caso de racismo e publicou um novo comunicado em seus stories. “Eu sei o que ouvi hoje no scam. Mas foi tudo muito rápido e sutil. O racismo de todo dia não se vê em câmeras de segurança. Peço que parem o assédio e a reprodução dessa violência. Vamos seguir”.

Print do pronunciamento de Luciane Dom. (Reprodução, Instagram)