MidiaMAIS / Famosos

Após demissão, Willian Waack quebra silêncio e se defende de acusações de racismo

Jornalista teria sido desligado do Jornal da Globo por cometer racismo

Guilherme Cavalcante Publicado em 14/01/2018, às 18h08

None

Jornalista teria sido desligado do Jornal da Globo por cometer racismo

O jornalista e ex-apresentador do Jornal da Globo, William Waack, quebrou o silência pela primeira vez e se pronunciou sobre o vídeo que provocou sua demissão da TV Globo no final do ano passado, acusado de racismo. Em um artiglo publicado pela Folha de S. Paulo, o jornalista disse que tudo não passou de uma “piada idiota”.

“Aquilo foi uma piada -idiota, como disse meu amigo Gil Moura-, sem a menor intenção racista, dita em tom de brincadeira, num momento particular”, escreveu o jornalista. “Desculpem-me pela ofensa; não era minha intenção ofender qualquer pessoa, e aqui estendo sinceramente minha mão”, acrescentou.

Na publicação, Waack ainda descacou que nunca apoiou o racismo. “Durante toda a minha vida, combati intolerância de qualquer tipo -racial, inclusive-, e minha vida profissional e pessoal é prova eloquente disso. (…) Não digo quais são meus amigos negros, pois não separo amigos segundo a cor da pele. Assim como não vou dizer quais são meus amigos judeus, ou católicos, ou muçulmanos. Igualmente não os distingo segundo a religião -ou pelo que dizem sobre política”.

Após demissão, Willian Waack quebra silêncio e se defende de acusações de racismo

Ele também detaca que há uma espécie de patrulha virutal que quer tirar do brasileiro o lado irreverente e brincalhão. “Aproveito para agradecer o imenso apoio que recebi de muitas pessoas que, mesmo bravas com a piada que fiz, entenderam que disso apenas se tratava, não de uma manifestação racista”, escreveu. “Admito, sim, que piadas podem ser a manifestação irrefletida de um histórico de discriminação e exclusão. Mas constitui um erro grave tomar um gracejo circunstanciado, ainda que infeliz, como expressão de um pensamento”, apontou. “Tenho 48 anos de profissão. Não haverá gritaria organizada e oportunismo covarde capazes de mudar essa história: não sou racista. Tenho como prova a minha obra, os meus frutos. Eles são a minha verdade e a verdade do que produzi até aqui”, finalizou.

Jornal Midiamax