Sobre duas rodas, natureza é refúgio para quem procura acampar e viver a liberdade da estrada

Muito antes de ingressar no mundo jornalístico, herdei uma paixão paterna pela natureza e sobre tudo o que ela representa. Com o tempo, a adolescência fomentou um amor indescritível por motores em V e toda a bagagem sociocultural desse universo. O anseio por aventuras e a busca constante pela tranquilidade de uma beira de rio […]
| 13/02/2021
- 12:00
Sobre duas rodas, natureza é refúgio para quem procura acampar e viver a liberdade da estrada
Acampamento às margens do Rio Jatobá (Foto: Ranziel Oliveira /Arquivo Pessoal) - Acampamento às margens do Rio Jatobá (Foto: Ranziel Oliveira /Arquivo Pessoal)

Muito antes de ingressar no mundo jornalístico, herdei uma paixão paterna pela natureza e sobre tudo o que ela representa. Com o tempo, a adolescência fomentou um amor indescritível por motores em V e toda a bagagem sociocultural desse universo. O anseio por aventuras e a busca constante pela tranquilidade de uma beira de rio criou o cenário perfeito para viagens de moto, acampamentos e a necessidade latente de desconectar-se do mundo.

Depois de uma semana preso na rotina da vida moderna, vem o desejo de rodar para um lugar isolado e pacífico, me transportando direto para as lembranças do interior. Nesse lugar, a Internet não chega, os impasses da vida urbana são ofuscados e o cérebro tem seu merecido descanso.

Com a saudade fomentada pelas recordações, é o momento de preparar a bagagem. Paciência e noção de espaço são indispensáveis na organização: aos poucos, comida, roupa e ferramentas vão se encaixando no alforge. Ao fundo, enquanto amarro a barraca e colchão de ar, a véspera de é embalado pelas composições do Guns N´ Roses , Creedence e diversos clássicos para pegar a estrada.

Sobre duas rodas, natureza é refúgio para quem procura acampar e viver a liberdade da estrada
Moto com alforge, barraca e colchão de ar amarrados, às margens da rodovia (Foto: Ranziel Oliveira/ Arquivo Pessoal)

Já sobre as duas rodas, a sensibilidade do corpo e mente é elevada: A paisagem, o vento no rosto, o enrolar do cabo, o barulho do motor e o aumento na produção de dopamina, proporcionam uma sensação indescritível de liberdade. Naquele momento, é possível sentir uma conexão única entre homem e máquina, algo, que transcende a compreensão popular. Mais que rascunhar esse sentimento em algumas linhas, é preciso vivê-lo.

O acampamento

Depois de alguns quilômetros na rodovia, o destino é finalmente alcançado. No meio da natureza, o acampamento começa a ganhar forma entre as árvores nativas e o curso do rio. Aquele ritual já conhecido para qualquer campista, escolher um local plano e de preferência elevado, armar a barraca e encher o colchão.

Enquanto os dias voam na cidade, a noção de tempo parece ser perdida no meio do mato. É o momento de explorar o local e conhecer de perto, fora os livros de geografia, o cerrado Sul-mato-grossense. Além das trilhas, a atração principal é responsável por refrescar o corpo e ser um alívio para as vistas, experiências, possibilitadas pelo leito do rio.

Sobre duas rodas, natureza é refúgio para quem procura acampar e viver a liberdade da estrada
Na fogueira, arroz está cozinhando enquanto o bacon é assado (Foto: Ranziel Oliveira/ Arquivo Pessoal)

Com o cair da noite, é hora de acender a fogueira e preparar o jantar: de uma forma levemente rústica, o arroz com carne assada tem um sabor singular e sentimental. Na presença de quem você ama, o silêncio da floresta e o isolamento social  trazem uma tranquilidade e paz inexistente na cidade. Lá dentro, o único som a ser apreciado é o da natureza, seja do cantar das cigarras ao peixe que pula n’água.

Os primeiros raios de sol indicam o prelúdio da despedida. E a hora do último mergulho, de desmontar o acampamento e amarrar a bagagem na moto. A ignição do motor encerra temporariamente a conexão com a natureza, selando o momento de voltar para a civilização. Em casa, a nostalgia do acampamento fomento a vontade de procurar o próximo destino, e viver uma nova aventura a cada viagem.

Ranziel Oliveira é repórter do núcleo de Cotidiano do Jornal Midiamax

OFF THE RECORD

(Fora do registro, em português) é a expressão utilizada pelos jornalistas para informações obtidas de forma não oficial, assim como a rotina de repórteres para além da reportagem. Afinal, o que gostamos de fazer quando estamos longe da rotina de trabalho? Esta é a OFF THE RECORD, uma pequena série do Jornal Midiamax, com textos escritos em primeira pessoa, sobre os hobbies dos repórteres que atuam na redação.

Veja também

Maior evento de observação de pássaros do mundo catalogou centenas de espécies em MS em 24 horas

Últimas notícias