O nome é justamente uma onomatopeia do som trissílabo que emite: “bem-te-vi”. Este pássaro, tão comum no Brasil, tem muitas curiosidades, como a personalidade forte e até agressiva no período de reprodução, a monogamia e também o fato de fazer parte das crenças populares, sendo o canto de vários deles juntos o anúncio da chegada de chuva.

Assim como o joão-de-barro, o sanhaço-cinzento e o sabiá-laranjeira, já exibidos no quadro “Ninhos e Abraços”, o bem-te-vi é uma ave passeriforme, só que da família dos Tiranídeos e provavelmente o mais popular do nosso país, podendo ser encontrado em diversos lugares, tanto em cidades como em matas, plantações, margens e praias de rios e etc. Também possui dez subespécies reconhecidas.

Quais as características do bem-te-vi?

Bem-te-vi (Madu Livramento, Midiamax)

Segundo o observatório de aves, o Wikiaves, o bem-te-vi tem médio porte, medindo entre 20,5 e 25 centímetros de comprimento e pesa um pouco menos que o sabiá-laranjeira, sendo assim de 52 a 68 gramas aproximadamente. Para quem não sabe (ou ainda não viu) essa ave possui um topete amarelo que é somente visível em determinadas situações.

Seu bico é preto, achatado e longo, além de resistente e um pouquinho encurvado, o que acaba sendo um dos diferenciais de outras espécies de tiranídeos que tem o mesmo padrão de cores. Já o nome científico significa Pitanguá amarelo sulfúreo, do tupi Pitanguá guaçú que é um nome dado para diversas espécies de papa-moscas e, do latim sulphuratus, sulfur que é ‘amarelo sulfúreo, enxofre’.

Alimentação bem variada

Bem-te-vi jovem (Madu Livramento, Midiamax)

O bem-te-vi devora insetos diariamente, mas, também come parasitas, frutas, ovos, flores, pequenas cobras, lagartos, girinos, crustáceos, peixes… e até mesmo filhotes de outros pássaros. Ou seja, pode capturar aves muito jovens e muito pequenas, que são ‘ninhegos’, aquelas que estão fora do ninho.

Apesar de ser, talvez, algo inusitado, a sua alimentação acaba contribuindo muitas vezes para o controle de pragas de insetos por conta de suas descobertas na forma de se alimentar.

Reprodução, distribuição geográfica e hábitos

Bem-te-vi (Madu Livramento, Midiamax)

É uma ave que nidifica em cavidades, colocando de 2 a 4 ovos e fazendo ninhos grandes com capim, ramas de vegetais e materiais de origem humana como papel, plástico e fios, esféricos e com entrada lateral. Podem ser encontrados ninhos em formato de xícara também.

O bem-te-vi é uma ave típica da América Latina, predominantemente em uma área estimada em 16 milhões de km², se estendendo do sul do à Argentina.

Agressivo, ameaça urubus e até gaviões quando estes estão próximos do ‘seu território’, mostram grande capacidade de adaptação e adoram um bom banho em tanques ou chafarizes. É um dos primeiros a cantar ao amanhecer o dia, anda geralmente sozinho, mas pode também estar em grupos de três ou quatro quando se reúnem. 

Bem-te-vi ou falso bem-te-vi?

Da esquerda para a direita: neinei, em comparação com o bem-te-vi, suiriri e cambacica (Madu Livramento, Midiamax)

Em Campo Grande (e até mesmo por experiência da fotógrafa Madu Livramento) confundimos outras espécies com o bem-te-vi e, por mais que, de certa forma, sejam parecidas, algumas são totalmente diferentes. O neinei é também um passeriforme tiranídeo, como o bem-te-vi e, talvez o mais parecido com o mesmo, porém o seu bico e sua vocalização são as principais chaves para distingui-los.

O suiriri é confundido com muita frequência como um ‘bem-te-vi diferente’, porém, sua cabeça é predominantemente cinza, seu peito é verde-oliva e sua barriga amarela. E o filhote de bem-te-vi? Algumas vezes acabamos nos confundindo com outras espécies porque pensamos que essas são filhotes, apenas por serem menores que outras com a mesma coloração. É o caso da cambacica com o bem-te-vi. Ela é bem menor e o bico é curvado e pontudo, além de ter a base rosada. 

Lembrando também que os filhotes ainda estão no ninho e com a plumagem incompleta, eles não são adultos ‘pequenos’.

Os 5 municípios de MS com o maior número de registro fotográfico de Bem-te-vi (Madu Livramento, Midiamax)

O que é uma ave passeriforme?

Encontram-se entre os membros dessa ordem aves de dimensões pequenas e médias. A forma do bico varia bastante, dependendo do respectivo tipo de alimentação. As pernas são demonstrativas da origem arborícola das aves canoras. Os quatro dedos estão todos implantados ao mesmo nível, encontrando-se o primeiro permanentemente invertido. O tarso é coberto por escamas pequenas, em forma de lâminas. A plumagem é suficientemente densa e a penugem fina.

O canto dos pássaros é geralmente melodioso. As suas características dependem da estrutura do aparelho fonador (a siringe, que é o órgão presente nas aves, responsável pela produção e emissão de sons), bem como da quantidade e posição dos músculos destes, que variam entre um e sete.

Bem-te-vi (Madu Livramento, Midiamax)

As aves canoras são, na sua maioria, monógamas, vivendo com um único parceiro ao longo de toda época do acasalamento; no entanto, também se conhecem espécies polígamas, com um macho dominante que acasala com várias fêmeas.

Os filhotes são nidícolas, nascendo cegos, desprovidos de penas, e raramente cobertos de penugem. São completamente dependentes dos progenitores durante um bom tempo. 

 Os ninhos dos pássaros são, provavelmente, os que envolvem uma construção mais elaborada entre todas as espécies de aves. São, na sua maioria, em forma de taça, sendo muitos deles, exemplos perfeitos de engenharia.

Leia também:

‘Ninhos e Abraços’: Dócil e inteligente, maritaca até engana ao imitar sons de outros pássaros

Saiba Mais