Com 40 anos de maturação, uma longa estrada, transpirações, inspirações e canções que já fazem parte da cultura musical do . Gilson Espíndola, uma das mais belas vozes da nossa , está comemorando quatro décadas de “relacionamento estável” com a música e para marcar este momento, ele acaba de lançar seu novo projeto audiovisual, intitulado “Dois Caminhos”.

“Esse DVD foi uma ideia da minha filha de fazer um registro destes 40 anos de música, desde que eu compus a minha primeira, em 70, por aí. ‘Dois Caminhos' conta um pouco das histórias das minhas composições, desde as primeiras até as mais atuais”, conta Gilson.

O DVD conta com 20 músicas, grande parte composta por Gilson ou com parcerias e, “Barco de Santa Maria”, composição de Paulo Gê e Alex Fraga. Ainda tem “Blues and Soul”, junto com Celito Espíndola, “1001 Noites”, com Paulo G, entre outras participações. No repertório, destaque para a gravação de “Madre Canaã”, composição de Gilson com Alexandre Saad, que se tornou sucesso com a dupla Américo & Nando.

Confira o DVD na íntegra

Gravado ano passado e lançado em uma live, na última sexta-feira, 15, o show completo pode ser visto no YouTube, no canal do artista. Antes mesmo de chegarem as versões físicas de “Dois Caminhos”, todos já poderão curtir músicas que vão tornar mais leves e solares seus dias de quarentena.

Com a Produção Musical de Otavio Neto, parceiro desde o álbum “Azul”, a banda ainda conta com nomes de peso, como Adriel Santos na batera, Ton Alves na guitarra, Nino Calheiros e Junior Matos no sopro, Erick Jadiel no contrabaixo e Renan Nonato no acordeom.

 

Gilson Espíndola

Hoje aos 56 anos, o músico e compositor aquidauanense, Gilson Espíndola,  traz uma respeitável bagagem musical sempre fiel a música sul-mato-grossense. Vindo de uma família de artistas que culturalmente participam da identidade musical deste Estado, o artista tem em sua formação blues, samba e bossa nova e uma especial admiração pelo trabalho de Geraldo Espíndola.

Em sua discografia, ainda contam os álbuns “Tudo Azul”, de 1998, e “Mosaico”, de 2000.