MidiaMAIS

Medicina e cotidiano são temas de obras artísticas expostas no Centro Cultural

A primeira semana de junho, obras de arte ocupam espaço no Centro Cultural José Octávio Guizzo. Na próxima quinta-feira (7), terá a vernissage das exposições “Cores no formato de poesia, história e cultura”, do artista Vitor Hugo Souza, e “Melancholía”, de Daniel Cota. O evento começa às 19h, com entrada gratuita. A exposição “Cores no formato de poesia, […]

Mariana Lopes Publicado em 03/06/2018, às 13h41

Obra do artista plático Victor Hugo
Obra do artista plático Victor Hugo - Obra do artista plático Victor Hugo

A primeira semana de junho, obras de arte ocupam espaço no Centro Cultural José Octávio Guizzo. Na próxima quinta-feira (7), terá a vernissage das exposições “Cores no formato de poesia, história e cultura”, do artista Vitor Hugo Souza, e “Melancholía”, de Daniel Cota. O evento começa às 19h, com entrada gratuita.

A exposição “Cores no formato de poesia, história e cultura” retrata o perfil dos trabalhos do artista, inspirado no cotidiano, nas cores simples das estações, nos formatos e personalidades distintas, a mostra traz uma série de obras que envolvem poesia e simplicidade, em mensagens sutis ao espectador. A presente exposição traz ”recortes geométricos” que destacam aspectos poéticos nas pinturas que envolvem cultura popular, pensamentos, natureza e delicadeza.

Quanto à exposição “Melancholía” foi inspirada na antiga medicina grega que explicava que o físico e o psíquico do homem era resultado da mistura de elementos, sendo suas qualidades predominantes associadas as partes do corpo humano e aos humores, ou seja, tendências da personalidade que correspondiam a essas qualidades. Assim, Daniel Cota fez a sua própria alusão a mitologia humoral ao relacionar a melancolia ao elemento água, fazendo esta ordenação por meio dos fragmentos que a aquarela ocasiona relacionando esta experiência a efemeridade, delicadeza e sensibilidade.

Medicina e cotidiano são temas de obras artísticas expostas no Centro Cultural
Obra de Daniel Cota

As aquarelas são resultados dessa pesquisa ao buscar retratar uma alta carga psicológica por meio de narrativas alegóricas e transversais, ou seja, são imagens da intimidade da casa, do corpo e dos elementos que o residem, encenados em vicissitudes sensíveis  e intimistas a ambientes públicos em meio a natureza, marcando um paradoxo, um mundo como realidade oculta, numa alternância radical da vida que representa uma variação continua da memória ligada ao estado melancólico como um modo de estar em um lugar deslocado do tempo e do espaço. Desta maneira, ao falar indiretamente da melancolia, ao ir em busca desta ressignificação autobiográfica em torno da experiência com a depressão, o artista não exclui uma expressão coletiva do homem contemporâneo.

Artistas

Vitor Hugo Souza é natural de São Bernardo do Campo (SP), em 2001 mudou-se para Corumbá (MS). Formado em Pedagogia, Técnico em Biblioteca e recém Artes Visuais, também é ilustrador de pensamentos, criador da Ghost Flowers (camisas com estampas feitas a mão livre) e tem trabalhos espalhados por vários estados do Brasil, também na Alemanha e Japão.

Daniel Cota é campo-grandense, formado em Artes Visuais e Design de Interiores tem seu foco na linguagem da pintura e fotografia e já participou de exposições no Centro Cultural José Octávio Guizzo, na Galeria de Vidro na Estação Ferroviária e na Biblioteca da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

Serviço

As exposições, que foram selecionadas por edital, estarão abertas à visitação até 7 de julho, de terça a sexta-feira, das 8h às 22h, e sábado das 8h às 18h. O Centro Cultural José Octávio Guizzo fica na rua 26 de Agosto, 453, entre a avenida Calógeras e a rua 14 de Julho. Mais informações pelo telefone (67) 3317-1795.

Jornal Midiamax