MidiaMAIS

Mostra de Cinema no MIS celebra os 107 anos de imigração japonesa no Brasil

Mostra começa nesta segunda-feira na Capital

Midiamax Publicado em 20/06/2015, às 23h29

None
cinemis_mostra-cinema-japones_-intendente-sansho_-513x372.jpg

Mostra começa nesta segunda-feira na Capital

O Museu da Imagem e do Som, unidade museológica da Gerência de Patrimônio Histórico e Cultural (GPHC) da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), realiza de 22 a 26 de junho de 2015 a Mostra de Cinema Japonês. A Mostra é realizada em parceria com a Associação Esportiva e Cultural Nipo-Brasileira de Campo Grande (AECNB), e faz parte das comemorações da imigração japonesa no Brasil, que teve início oficialmente em 18 de junho de 1908, quando o navio KasatoMaru aportou em São Paulo, trazendo 781 lavradores para as fazendas do interior paulista.

Em sua quinta edição, a Mostra apresentará cinco filmes premiados, sempre às 19 horas, no Museu da Imagem e do Som de MS, com entrada franca. As produções dão um panorama dos filmes japoneses, com temas diversos e abrangentes. A curadoria é, mais uma vez, de Jean Albernaz.

O cinema japonês é um dos cinemas mais plurais do mundo, existe um universo de estilos, temas e formas completamente diferentes entre si. Mas qualquer um que assista a um filme japonês percebe um certo deslocamento, algo difícil de se materializar em palavras mas que está lá presente em todos os seus filmes, seja na comédia comercial mais pueril ou em um documentário social. Alguns críticos ousam dizer que existe uma “japonesidade” inerente ao que eles produzem mesmo quando tentam copiar o cinema ocidental, que ao absorver o que é de fora, misturam com as suas tradições e quando devolvem ao mundo é algo que só poderia ter sido produzido no Japão.

Os filmes a serem exibidos são o drama em preto e branco “Intendente Sansho” (Sanshô dayû), de Kenji Mizoguchi; a animação “O Conto da Princesa Kaguya” (Kaguyahime no monogatari), de Isao Takahata; “A Maldição da Mulher Cega” (Kaidan Nobori Ryu), de Teruo Ishii; “O Cão que Guarda as Estrelas” (Hoshi Mamoru Inu), de Tomoyuki Takimoto, e “Por Que Você Não Vai Brincar no Inferno?” (Título em inglês: Why Don’t You Play in Hell), de Shion Sono.

O coordenador do MIS, Alexandre Sogabe, explica que a curadoria de Jean Albernaz vem trazer um panorama muito interessante sobre a produção do Cinema Japônes. “O filme ‘Intendente Sansho’ é considerado um dos clássicos do cinema japonês. Já o filme ‘O Conto da Princesa Kaguya’ apresenta a animação, um gênero que é muito apreciado no Japão. O filme ‘A Maldição da Mulher Cega’ é um filme de horror dirigido pelo ‘Rei do Cinema Cult’ no Japão. Teruo Ishii é um diretor de 82 anos que continua na ativa produzindo filmes independentes. A produção ‘O Cão que Guarda as Estrelas’ parece se valer do ‘mito’ muito popular no Japão de Hashiko, o cão da raça Akita que esperava na estação a volta de seu dono. No ocidente foi popularizado pelo filme ‘Sempre ao seu lado’ estrelado por Richard Gere. Por fim, ‘Por que Você Não Vai Brincar no Inferno?’ é um filme provocante que se inspira em ícones do cinema mundial, especialmente em Tarantino, para criar uma obra ácida, de ação e violência, mas recheada de humor”.

A Mostra Cinema Japônes vem oferecer ao público um olhar sobre a rica e diversa produção japonesa. Apresenta filmes que têm dificuldade em ser distribuídos no Brasil, mas que tem qualidade legitimada por prêmios e festivais.

A Fundação de Cultura, por meio dessa ação, oportuniza o acesso à produção da cultura japonesa, que tem tantos descendentes e laços com o Brasil e com o povo sul-mato-grossense. Além da celebração da Imigração Japonesa é a celebração da amizade entre dois povos. “Festejemos esse encontro com o melhor do Cinema Japônes”, finaliza Alexandre.

Jean Albernaz é formado em Rádio TV pela UCDB, músico, cinéfilo e roteirista. Tem atuado na área do audiovisual e contribuído com o MIS em eventos e mostras.

Jornal Midiamax