MidiaMAIS

Mobilização discute políticas públicas para teatro e circo

Segmento teatral e circense de Mato Grosso do Sul reúne-se em Campo Grande, na próxima quinta-feira dia 28 de janeiro, quando acontece a assembléia setorial de teatro e circo – que servirá para escolher três representantes de cada segmento e seus respectivos suplentes para as Pré-Conferências Setoriais (22 a 24 de fevereiro) em Brasília, que […]

Arquivo Publicado em 25/01/2010, às 17h47

None

Segmento teatral e circense de Mato Grosso do Sul reúne-se em Campo Grande, na próxima quinta-feira dia 28 de janeiro, quando acontece a assembléia setorial de teatro e circo – que servirá para escolher três representantes de cada segmento e seus respectivos suplentes para as Pré-Conferências Setoriais (22 a 24 de fevereiro) em Brasília, que antecedem a 2° Conferência Nacional de Cultura, em Brasília, de 11 a 14 de março.


MOBILIZAÇÃO

“A assembléia pretende fazer com que os segmentos artísticos de todo Brasil se organize para as Pré-Conferências e a Conferência Nacional de Cultura. Todos os segmentos terão direito aos seus representantes. Entrei em contato com o Ministério da Cultura e a Funarte para esclarecer os procedimentos e organizei a assembléia aqui no Estado. A de música já aconteceu, há cerca de duas semanas, e agora será a vez da classe teatral, e no mesmo local também acontecerá a assembléia de circo, organizado pelo diretor do Circo do Mato, Mauro Guimarães. Nosso prazo máximo para escolher esses representantes é dia 30 de janeiro”, explica o organizador regional da assembléia de teatro, Vitor Hugo Samudio, ator e diretor de teatro.

A mobilização, segundo ele, é importante porque a Conferência vai formular políticas públicas voltadas à Cultura. “Assim como todas as áreas, a Cultura depende disso. Querendo ou não, temos que ter parcerias, ‘fazer política’, estar envolvido nela para fortalecer a classe e para que a Cultura também tenha investimentos públicos. Discutir a cultura regional é uma das maneiras de proceder para que haja melhorias. O teatro precisa do envolvimento das pessoas, do posicionamento de classe diante dos fatos, porque não é possível esperar que as coisas aconteçam de cima para baixo. Acreditar que as Prefeituras e os governos do Estado ou a União ajam sozinhos, tenham bons olhos e aumentem o orçamento voluntariamente é meio improvável, essa iniciativa tem que partir da gente.

Serviço:

A assembléia local acontecerá na próxima quinta-feira, dia 28 de janeiro as 19:30 no Centro Cultural José Octavio Guizzo, rua 26 de agosto, 453, centro.

Informações:

Vitor Hugo Samudio (teatro) 8439-6960 – [email protected]


Mauro Guimarães (circo) 9909-9208 – [email protected]

Jornal Midiamax