Geral

Casa de madeira é destruída pelas chamas e assusta vizinhos na Capital

Morador da casa de madeira avisou aos bombeiros que mãe estava dentro

Midiamax Publicado em 03/04/2015, às 21h27 - Atualizado em 26/04/2018, às 17h56

None
capa.jpg

Morador da casa de madeira avisou aos bombeiros que mãe estava dentro

Na Rua João Tomás, no bairro Santo Antônio, em Campo Grande, uma casa de madeira, situada no fundo do terreno da residência nº 229, ficou em chamas, colocando em pânico a vizinhança, que alega ter ouvido um homem ter ficado transtornado, batendo em paredes e falando alto, momentos antes do incêndio ser deflagrado, o que aconteceu por volta das 17h, conforme moradores das imediações.

“ A fumaça foi enorme e me preocupei muito se o fogo iria se alastrar para outras casas. Moro ao lado e vivi momentos de tensão até a chegada dos bombeiros”, diz a vizinha da residência, que teve a casa de fundos em chamas, Sônia Maria Santos, de 51 anos, trabalhadora do lar. O mesmo desespero foi informado por outra vizinha, que preferiu não se identificar à reportagem. Segundo ela, um dos homens, que moravam na casa de madeira incendiada, estava bastante nervoso, batendo em paredes e falando alto. No local, viviam uma senhora e dois filhos dela, sendo um deles o indivíduo citado pela moradora da Rua João Tomás.

A casa de alvenaria, que fica no mesmo terreno da de madeira, onde se pegou fogo na tarde da sexta-feira (03), segundo informações dos bombeiros não teve a sua estrutura afetada. O incêndio não fez vítimas, mas um episódio teria dado outra dimensão ao trabalho do Corpo de Bombeiros.

“Quando chegamos, um dos moradores avisou que a mãe dele estava dentro, informação que mudou signiticativamente o trabalho de combate ao fogo, com chamas altas naquele momento. No decorrer da ação percebemos que não havia ninguém na casa de madeira. O homem que nos deu essa diretriz parecia estar embriagado e muito nervoso”, diz a capitã do Corpo de Bombeiros, Cláudia Karoline Ribeiro.

A residência de alvenaria, localizada na frente do terreno, estava desabitada na sexta-feira (03), com os seus moradores viajando. O proprietário das casas, que também não quis se identificar, conta que a família residente do local onde ocorreu o incêndio nunca deu trabalho, porém estava com dois meses de aluguel atrasados. 

Jornal Midiamax