Geral

Protestos na Tailândia impedem votações antecipadas em Bangcoc

Os manifestantes que protestam contra o governo na Tailândia conseguiram bloquear a entrada de vários colégios eleitorais que, neste domingo (26), deviam abrir suas portas para dar início às votações antecipadas das eleições gerais, previstas para o dia 2 de fevereiro. Pelo menos 35 dos 50 locais habilitados para as votações foram obrigados a cancelar […]

Arquivo Publicado em 26/01/2014, às 10h35

None
822157847.jpg

Os manifestantes que protestam contra o governo na Tailândia conseguiram bloquear a entrada de vários colégios eleitorais que, neste domingo (26), deviam abrir suas portas para dar início às votações antecipadas das eleições gerais, previstas para o dia 2 de fevereiro.


Pelo menos 35 dos 50 locais habilitados para as votações foram obrigados a cancelar o processo devido às manifestações contra as eleições, segundo o jornal ‘The Nation’.


Grupos de manifestantes se mobilizaram durante a madrugada do sábado (25) para se postar em frente aos colégios eleitorais antes da abertura e colocando correntes com cadeados nas portas de entrada, segundo pôde comprovar a Agência EFE.


Apesar de algumas zonas eleitorais terem conseguido iniciar a votação, elas tiveram logo que fechar e cancelar os trabalhos devido à presença de grupos de protesto.


Mais de dois milhões de pessoas, a maioria estudantes e trabalhadores que não poderão exercer seu direito a voto, foram convocados às urnas neste domingo, segundo os dados da Comissão Eleitoral.


As pessoas que se registraram para votar de maneira antecipada e não o conseguiram terão uma nova oportunidade no dia das eleições, segundo declarou a diretora da Comissão Eleitoral de Bangcoc.


Votação normal em três regiões


O órgão eleitoral destacou que as votações antecipadas transcorrem com normalidade nas províncias do centro, norte e noroeste da Tailândia, onde os antigovernamentais carecem de apoio majoritário.


Nas províncias do sul as eleições foram bloqueadas, já que os manifestantes conseguiram impedir a inscrição de candidatos.


A Comissão Eleitoral pediu em várias ocasiões para adiar as eleições devido a possíveis transtornos no processo eleitoral ou esforços de violência.


No entanto, o Governo apostou na realização de eleições como saída para o atoleiro político no qual o país se encontra.

Jornal Midiamax