Geral

Oswaldo evita euforia, cita trauma de 2005 e pede tempo para “cara definitiva”

Oswaldo de Oliveira não se empolga. O treinador fez questão de lembrar mais uma vez da passagem interrompida em 2005, com menos de três meses de trabalho, após a goleada do Santos por 5 a 1 contra o rival Corinthians, na quarta-feira, na Vila Belmiro, pela quarta rodada do Campeonato Paulista. A razão de comemorar […]

Arquivo Publicado em 30/01/2014, às 11h32

None

Oswaldo de Oliveira não se empolga. O treinador fez questão de lembrar mais uma vez da passagem interrompida em 2005, com menos de três meses de trabalho, após a goleada do Santos por 5 a 1 contra o rival Corinthians, na quarta-feira, na Vila Belmiro, pela quarta rodada do Campeonato Paulista. A razão de comemorar pouco o resultado empolgante é que o início daquele ciclo também foi marcado por vitória convincente diante do rival, 3 a 0 na ocasião, e leva o comandante santista a pedir por tempo para dar a “cara definitiva” ao novo Santos.

“É difícil administrar uma situação dessas. Queria lembrar a vocês que, em 2005, o Santos ganhou aqui do Corinthians por 3 a 0 e não durei nem três meses no cargo. Estou com os pés no chão, sei onde estou pisando e o que fazer. Foi uma vitória como essa, eram dois timaços e o Santos venceu por 3 a 0. Conheço em os dois lados, sei o que se passa, então mantenho a minha seriedade e os pés no chão”, disse.

Na ocasião, Oswaldo venceu o mesmo Corinthians pela sexta rodada do Estadual, em jogo em que o atacante Robinho participou de todos os gols, marcando dois.

Logo em sua apresentação, o treinador pediu que esquecessem a sua passagem fracassada pelo clube para não ter comprometido precocemente o atual trabalho. Oswaldo justificou que foi demitido pelo ex-presidente Marcelo Teixeira após apenas três derrotas em 16 jogos, sendo uma em um clássico diante do Palmeiras e outra atuando na altitude boliviana.

Jornal Midiamax