Geral

Subtenente que atropelou e matou motociclista ainda não prestou depoimento

A polícia ainda não colheu o depoimento do subtenente do Corpo de Bombeiros que não respeitou a preferencial e acertou a motocicleta do pintor Joelson Correa Oliveira, de 30 anos, que morreu nesta quinta-feira (19), por conta da batida. O caso aconteceu no início da tarde de ontem no Bairro Parati, em Campo Grande. De acordo […]

Arquivo Publicado em 20/12/2013, às 14h36

None
1156364425.jpg

A polícia ainda não colheu o depoimento do subtenente do Corpo de Bombeiros que não respeitou a preferencial e acertou a motocicleta do pintor Joelson Correa Oliveira, de 30 anos, que morreu nesta quinta-feira (19), por conta da batida. O caso aconteceu no início da tarde de ontem no Bairro Parati, em Campo Grande.

De acordo com a Polícia Civil, como o subtenente já foi identificado e tentou ficar no local para prestar socorro vão esperar que o homem se apresente para prestar depoimento espontaneamente. “Como ele está se recuperando da crise de hipertensão que sofreu, vamos esperar que ele venha por livre e espontânea vontade” afirmou um agente.

O acidente

De acordo com testemunhas, Joelson seguia pela Rua Avelino dos Reis, com sua Honda Biz vermelha, de placa NKO- 0262, quando um subtenente do Corpo de Bombeiros não respeitou a preferencial e acertou o veículo do motociclista. De acordo com a técnica de enfermagem, Neide Palma, o corpo foi jogado embaixo de sua caminhonete que estava estacionada em uma das esquinas do cruzamento.

Os bombeiros ainda tentaram reanimar a vítima, mas sem sucesso. O Batalhão de Policiamento de Trânsito e a Perícia Médica foram ao local para os devidos levantamentos.

A delegada plantonista da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac ) Piratininga, Gabriela Stainle, confirmou que o homem que atropelou Joelson é dos bombeiros e que verificará a patente com os investigadores. A identidade do condutor não foi divulgada.

O subtenente tentou permanecer no local para aguardar o socorro, segundo relato de testemunhas, mas é hipertenso e começou a passar mal ao perceber a morte do motociclista. Ele foi levado a um posto de saúde.

Segundo a delegada o subtenente não será preso em flagrante porque prestou o socorro ao motociclista, mas responderá por homicídio culposo na direção de veículo automotor.

Jornal Midiamax