Geral

Número de mortes de terremoto na China chega a 94

O número de mortes causadas por um forte terremoto na China já chega a 94 nesta terça-feira. Segundo autoridades, apenas uma pessoas está desaparecida e cerca de 1.001 ficaram feridas. O tremor ocorreu na segunda-feira perto da cidade de Dingxi, na província de Gansu. Cerca de 123 mil pessoas foram afetadas pelo terremoto e 31.600 […]

Arquivo Publicado em 23/07/2013, às 10h24

None

O número de mortes causadas por um forte terremoto na China já chega a 94 nesta terça-feira. Segundo autoridades, apenas uma pessoas está desaparecida e cerca de 1.001 ficaram feridas. O tremor ocorreu na segunda-feira perto da cidade de Dingxi, na província de Gansu.


Cerca de 123 mil pessoas foram afetadas pelo terremoto e 31.600 tiveram de se deslocar para abrigos temporários, disse a administração provincial em seu website. Quase 2.000 casas foram completamente destruídas e cerca de 22.500 ficaram danificadas.


O terremoto derrubou paredes de tijolos e interrompeu a comunicação por telefone. O tremor também causou deslizamentos de terra, que bloquearam estradas e dificultaram os esforços de resgate de equipes que tentavam chegar a áreas remotas.


Hospitais organizaram postos de socorro em estacionamentos para acomodar os feridos, ao mesmo tempo em que centenas de paramilitares da Polícia Armada do Povo se espalhavam pela região para procurar vítimas.


Áreas urbanas, onde os edifícios são mais sólidos foram poupados de grandes danos, ao contrário das tradicional habitações de tijolos no campo.


O centro de monitoramento de terremotos do governo chinês disse que o terremoto foi de magnitude 6,6, enquanto o Serviço Geológico dos EUA afirmou que o tremor atingiu 5,9. As medidas podem variar, especialmente se os equipamentos de monitoramento forem diferentes.


A Cruz Vermelha chinesa informou que estava enviando 200 tendas e 1.000 conjuntos de utensílios domésticos para a área. Outros equipamentos estavam sendo enviados pelo Exército e pela polícia paramilitar, que mandou cerca de 6.000 pessoas e dois helicópteros para ajudar nos esforços de resgate.


A região deve ser castiga por fortes chuvas na semana, elevando a necessidade de abrigos e aumentando a possibilidade de novos deslizamentos de terra.

Jornal Midiamax