Geral

Na posse de Crivella, Dilma chora e defende política de coalizão

Durante a solenidade de posse do novo ministro da Pesca, Marcelo Crivella, nesta sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff se emocionou e chorou ao lamentar a saída de Luiz Sérgio de sua equipe de ministros. Dilma defendeu as alianças e coalizões políticas como “essência para que o Brasil seja administrado”. A presidente acrescentou ainda que, “infelizmente”, […]

Arquivo Publicado em 02/03/2012, às 18h00

None
347694680.jpg

Durante a solenidade de posse do novo ministro da Pesca, Marcelo Crivella, nesta sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff se emocionou e chorou ao lamentar a saída de Luiz Sérgio de sua equipe de ministros.


Dilma defendeu as alianças e coalizões políticas como “essência para que o Brasil seja administrado”. A presidente acrescentou ainda que, “infelizmente”, às vezes é preciso “prescindir” de algumas pessoas no governo.


“Luiz Sérgio, você foi e é um amigo e um parceiro que compreende a natureza de um governo de coalizão assim como a dedicação que a política muitas vezes acaba por nos impor em nome dos interesses do país”, disse Dilma.


“A história recente do Brasil, de afirmação da democracia […], tem sido marcada pelo exercício do poder por meio de alianças e coalizões politicas. Nisso o meu governo não é diferente. Esse é um país extremamente complexo, múltiplo e democrático. Assim sendo, a constituição de alianças políticas é essência para que o Brasil seja administrado, para que o Brasil seja governado de forma democrática e, ao mesmo tempo, que o governo represente os interesses da nação”, disse Dilma.


Crivella é apontado como uma indicação estratégica para aproximar o governo do setor evangélico. Encontro com Lula Ontem, Dilma se reuniu com Lula no apartamento do ex-presidente e, entre os assuntos abordados, segundo pessoas próximas a ambos, esteve a recente troca de nomes no Ministério da Pesca, a posse de José Eduardo Dutra na Petrobras e os rumos da política paulistana, com detalhes sobre a pré-campanha do ex-ministro da Educação Fernando Haddad à prefeitura.


Durante o encontro, porém, foram tratadas novas mudanças na esfera de governo, embora nenhum detalhe tenha vazado, ainda, para o público. A vontade da presidente em manter e ampliar as coalizões políticas parece ter surtido efeito entre seus pares.


O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse nesta sexta-feira, 28, que o PMDB não vai romper com o governo. Ao chegar para a cerimônia de posse do novo ministro da Pesca, Jucá garantiu que o que houve foi um manifesto de “parte da bancada da Câmara”.


“Mas vamos conversar para ver como resolver e acalmar a base”, disse. O líder se referia ao manifesto elaborado por deputados federais do PMDB, com queixas de que o PT pretende se tornar hegemônico no País. Jucá disse também que o PR e o PDT são importantes na base do governo e unidos.


O líder do governo avaliou que o que está ocorrendo “é uma disputa local, mas a presidente não vai envolver a máquina pública nisso, numa referência às eleições em São Paulo.


Jornal Midiamax