Geral

FCMS promove recital da Orquestra Indígena Paraguaçu em Paranhos

Com patrocínio do Fundo de Investimentos Culturais (FIC/MS) da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, amanhã (13), acontece o recital de encerramento a Orquestra Indígena Paraguaçu, em Paranhos. O evento inicia às 8h, na quadra poliesportiva da Escola Pancho Romero. A entrada é franca. O grupo musical tem 30 integrantes da etnia Guarani […]

Arquivo Publicado em 12/12/2012, às 19h28

None

Com patrocínio do Fundo de Investimentos Culturais (FIC/MS) da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, amanhã (13), acontece o recital de encerramento a Orquestra Indígena Paraguaçu, em Paranhos. O evento inicia às 8h, na quadra poliesportiva da Escola Pancho Romero. A entrada é franca. O grupo musical tem 30 integrantes da etnia Guarani Kaiowá.



O projeto foi proposto pelo professor de música Jorge Ibrahim D´avalos Corrêa e promoveu oficinas de flauta, viola, violino e violoncelo neste ano, aos sábados pela manhã e nos feriados, para os jovens da aldeia Paraguaçu.



De acordo com o professor, os jovens da aldeia – que fica a cerca de 35 quilômetros de Paranhos – demonstravam grande talento musical. Eles precisavam apenas do direcionamento teórico. “Eles tem talento, um dom para a música que percebi em diversas ocasiões. Nas oficinas direcionei este talento, explorei o que eles têm de bom e ampliei o conhecimento musical, que se traduz diretamente na melhora da educação”, explica.



O projeto financiado pelo Fundo de Investimentos Culturais nasceu com o objetivo de abrir novas possibilidades de difusão da música de concerto e conta com a parceria da Banda Municipal de Paranhos. Foram realizadas oficinas de teoria musical, técnica de instrumento de sopro e técnicas de instrumentos sinfônicos.



No repertório, de acordo com o professor Jorge Ibrahim, estarão clássicos da música erudita e também da Música Popular Brasileira, que foram estudados durante as oficinas. “Será uma mistura interessante de sons. Eles têm mais acesso ao popular. A idéia foi aproveitar isso no ensino do erudito”, avalia o professor.


Jornal Midiamax