Uma universitária de 19 anos, do curso de psicologia, matou o próprio filho logo após o seu nascimento. O crime aconteceu na semana passada, no bairro de Itapuã, em Salvador, mas somente nesta terça-feira (30) veio ao conhecimento do público. A polícia não revelou o nome da criminosa, que está respondendo em liberdade, porque não houve flagrante.

A estudante, natural de Terra Nova (75 km de Salvador), mudou-se para a capital com o objetivo de cursar o ensino superior e mora com os tios, de quem escondeu a gravidez. Ela deu à luz uma menina, em seu quarto, sozinha.

Em depoimento à polícia, logo após o parto ela asfixiou a criança colocando papel higiênico em sua boca. Depois, com uma faca, desferiu golpes no corpo do bebê e o envolveu em um saco plástico, escondendo-o no canil nos fundos da casa.

A jovem já tem um filho de três anos, que vive no interior com seus pais. O crime foi descoberto porque ela passou mal e foi levada para o Hospital da Sagrada Família (HSF), na Cidade Baixa, onde foi realizada a curetagem (procedimento para retirada de placenta).

A polícia foi alertada pela equipe médica, pois, indagada sobre a criança, ela teria desconversado. A futura psicóloga precisou permanecer internada, sendo liberada para prestar depoimento à delegada Vânia Matos, titular da 12ª Delegacia.

O corpo da menina, que ainda está no Instituto Médico Legal Nina Rodrigues, aguarda a emissão do registro civil para ser sepultado. O documento, entretanto, somente deve ser emitido após o resultado de um exame de DNA solicitado pela polícia.

Conforme ainda policiais que assistiram ao depoimento, a universitária alegou perda de memória e desconhecer a gravidez e o parto.

De acordo com a polícia, a jovem matou a criança para evitar que um namorado residente no interior tomasse conhecimento de outro relacionamento da estudante, em Salvador, que teria resultado na gravidez.