Geral

Mato Grosso do Sul teve oito postos autuados pela ANP e quatro acabaram interditados

A ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) anunciou o balanço das fiscalizações realizadas durante o ano de 2011. Em Mato Grosso do Sul, nos últimos cinco anos, apenas oito postos de combustíveis foram autuados por comercializar combustíveis fora das especificações técnicas. Segundo os dados da Agência, em todo o Brasil foram autuados […]

Arquivo Publicado em 24/12/2011, às 15h30

None
1684939104.jpg

A ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) anunciou o balanço das fiscalizações realizadas durante o ano de 2011. Em Mato Grosso do Sul, nos últimos cinco anos, apenas oito postos de combustíveis foram autuados por comercializar combustíveis fora das especificações técnicas.


Segundo os dados da Agência, em todo o Brasil foram autuados 4,4 mil estabelecimentos, sendo 391 por problemas de qualidade. Em todo o país, existem 38 mil postos de gasolina. Dos flagrados com algum tipo de irregularidade, pouco mais de mil acabaram interditados. Em MS, foram quatro interdições.


Rio e São Paulo são as cidades com o maior número de postos infratores. Nos últimos cinco anos, foram autuados 550 estabelecimentos no Rio, e mais de 1,4 mil em São Paulo, cidade com a maior frota de carros do país. “São Paulo não é o campeão das fraudes, é apenas porque tem o maior número de postos. A situação de postos infratores é muito similar pelo país”, explicou o superintendente de Fiscalização da ANP, Carlos Orlando Silva.


Em 2009, foram feitas 28,6 mil ações de fiscalização e aplicadas 6,6 mil infrações em todo o país. Em 2010, foram quase 28 mil ações de fiscalização e 5,4 mil infrações. De acordo com o superintendente de Fiscalização da ANP, Carlos Orlando Silva, os números mostram que, ao longo dos anos, as infrações vêm diminuindo, e a arrecadação com as multas crescendo.


“Está havendo queda nos índices de inconformidade e estamos indo a campo na mesma proporção dos anos anteriores. Tínhamos índices altíssimos, na casa dos 10%, que hoje está em 1%, comparável aos de países de primeiro mundo. Ao mesmo tempo, demos celeridade nos processos, que antes duravam 2 anos e agora duram 4 meses. Com isso, estamos arrecadando mais multas e diminuímos o sentimento de impunidade no mercado.”


Em 2009, foram arrecadados cerca de R$ 26 milhões em multa e, em 2010, esse valor chegou a R$ 57 milhões – aumento de 119%. Em 2011, até novembro, o número alcançou os R$ 51 milhões. O dinheiro arrecadado com as multas, que varias entre R$ 20 mil e R$ 5 milhões, é depositado diretamente na conta da União.


De acordo com o superintendente, outra contribuição para essa diminuição foi a ampliação da fiscalização para outros agentes de mercado. “Mudamos o foco que não é mais apenas os revendedores, mas o mercado como um todo.”


Foram identificados 91 casos de reincidência em 2011, sendo que 29 perderam a licença e os donos dos posto perdem a licença. O posto que for autuado pela terceira vez tem a licença de revenda do combustível revogada, explicou o técnico da agência.


A ANP tem uma lista dos postos infratores na página da internet. Além disso, a população pode denunciar postos revendedores de combustível adulterado para o Centro de Relações com o Consumidor da ANP pelo 0800 970 0267 ou em formulário disponível na página da ANP na internet. A agência recebe anualmente mais de 6 mil denúncias. (Com informações da Agência Brasil)

Jornal Midiamax