Geral

FCMS faz balanço dos investimentos na literatura de MS

A Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS) faz um balanço dos investimentos feitos na literatura sul-mato-grossense. Por meio do Fundo de Investimentos Culturais de Mato Grosso do Sul (FIC-MS), a instituição cultural vem patrocinando desde o início da atual gestão, inúmeros livros de autores sul-mato-grossenses. Com recursos próprios, a FCMS investiu ainda […]

Arquivo Publicado em 23/12/2011, às 23h50

None

A Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS) faz um balanço dos investimentos feitos na literatura sul-mato-grossense. Por meio do Fundo de Investimentos Culturais de Mato Grosso do Sul (FIC-MS), a instituição cultural vem patrocinando desde o início da atual gestão, inúmeros livros de autores sul-mato-grossenses. Com recursos próprios, a FCMS investiu ainda em outras publicações, entre elas “José Octávio Guizzo – Um nome em registro eterno” dos jornalistas Luiz Henrique Gehlen e Marianne Cunha Herrero, livro do escritor Arlindo Fernandez intitulado “Ecos – Contos Ilustrados”, e “Dilim II: o peixe que desmaiava”, da autora infantil Sandra Andrade.


 Neste ano, o governo do Estado, destinou o montante de R$ 391.234,68 na literatura estadual. “Investir no livro e na leitura é investir no fortalecimento da cultura literária, aprimorar a capacidade de expressão da população leitora e na afirmação da identidade de MS. O livro é o caminho certo e seguro para um desenvolvimento social, cultural e econômico qualificado”, finalizou o presidente da FCMS, Américo Calheiros. Em 2012 já estão previstos os lançamentos dos títulos “Senhorinha Barbosa Lopes”, de Samuel Xavier de Medeiros, “Estrada de Ferro Noroeste do Brasil: Dinâmica socio-espacial e territorialidade em Mato Grosso do Sul”, de Rodrigo Pedroso Fernandes, “11.000 anos: A antiguidade do povoamento humano pré-histórico em Mato Grosso do Sul”, de Gilson Rodolfo Martins e “Deus te salve João Batista! Uma contribuição sobre o Banho de São João de Corumbá/MS”, de Helenemarie Dias Fernandes.


Acompanhe abaixo os títulos que em 2011 passaram a integrar o acervo de produtos culturais da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul e os valores investidos em cada obra:


1- “A Literatura Sul-Mato-Grossense na ótica de seus construtores”
 “A Literatura Sul-Mato-Grossense na ótica de seus construtores”, das escritoras Maria da Glória de Sá Rosa e Albana Xavier Nogueira é resultado da pesquisa que resgata por meio do discurso dos protagonistas da literatura estadual, os detalhes, os caminhos, os sonhos, as conquistas e fracassos que marcaram a vida destes escritores. As autoras ouviram 21 escritores e quatro críticos de literatura


2- “Animais Mais Mais”
Autor do livro de poemas “Animais Mais Mais”, Paulo Robson de Souza é professor do curso de Biologia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. A idéia da publicação surgiu durante uma visita a uma escola de Campo Grande, com a proposta de conhecer os trabalhos dos alunos da 1ª série. Durante a exposição, o autor conheceu uma lista de recortes do mundo animal denominada “Animais mais mais”. A partir disso, o autor se propôs a escrever os poemas, respeitando as escolhas das crianças e a biologia dos bichos. Os poemas foram escritos em ritmos de danças e músicas do Brasil de forma que as crianças usassem essas letras na elaboração de composições musicais próprias e conhecessem os principais gêneros musicais brasileiros. As ilustrações foram produzidas pelas próprias crianças.



3- “Clivagens”
O livro da escritora Maria Helena Sarti nasceu de vivências e reflexões a respeito de fatos cotidianos, até mesmo rotineiros, mas que chamam a atenção de maneira especial. “Clivagens” é impregnado de costumes, falas e do jeito gaúcho de ser, mas tendo como pano de fundo Mato Grosso do Sul, sua natureza exuberante e expressões artísticas. Cada leitor, por meio dele, é conduzido ao autoconhecimento, à valorização do ser humano e ao trabalho da ética no contato social.


4- “Grandezas da Literatura Sul-Mato-Grossense”
Classificado pelo escritor Antonio Alves Guimarães como um livro crítico, “Grandezas da Literatura Sul-Mato-Grossense é uma obra referencial de 312 páginas com foco centrado na Academia Sul-Mato-Grossense de Letras. Vários amigos do escritor contribuíram com o livro, com artigos, prefácio, apresentação ou mesmo fornecendo depoimentos valiosos. A obra estréia com o reconhecimento de grandes vultos da literatura e de admiradores das belas letras, tendo sido prefaciada pelo escritor José do Couto Vieira Pontes – membro fundador da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras, e apresentada pelo renomado professor Orlando Mongelli.


5 – “O Território Ofaié pelos Caminhos da História”
Com um total de 560 páginas, o livro “O Território Ofaié pelos Caminhos da História”, de Carlos Alberto dos Santos Dutra, traz informações e fontes de inestimável importância etno-histórica para a compreensão da ocupação espacial experimentada pelo povo indígena Ofaié Xavante, em Mato Grosso do Sul. Ele divulga a vida dos últimos indígenas caçadores e coletores da margem direita do Rio Paraná. Seu conteúdo amplia a fonte de conhecimentos sobre a diversidade cultural de Mato Grosso do Sul e resgata ainda a memória de um dos povos mais antigos do Estado.


6- “Um Caminho Poético”
“Um Caminho Poético”, do escritor Osvaldo Sandre, é uma reedição patrocinada pelo Governo do Estado. A obra abraça temas importantes como a ecologia, o social, o amor e a religião para utilizar o lirismo num infinito mar romântico. Ela transborda amor pelas páginas, um amor sem preconceito, sem barreiras, que conquista um destaque na historia literária do Estado. Foram investidos na obra.


7- “Série Memória Sul-mato-grossense 2011”
A Série Memória Sul-mato-grossense 2011, com nove volumes, tem o objetivo de resgatar e publicar as obras de interesse sobre a cultura de Mato Grosso do Sul. Neste lançamento foram publicados os títulos: “Álbum Gráfico do Estado de Mato Grosso” – Tomo I, II e III, de S. Cardoso Ayala & F. Simon, que vêm acompanhados de um CD com imagens, fotos, gravuras e mapas, “Nas fronteiras de Mato Grosso”, de Umberto Puigari, “Os Barbosas em Mato Grosso”, “Panoramas do Sul de Mato Grosso” e “Esboço histórico e divagações sobre Campo Grande”, “Reminiscência”, “Despedida”, “Felicidade… Amor…”, de Emílio Garcia Barbosa e “Pela defesa nacional”, de Oclécio Barbosa Martins. O acervo auxilia na compreensão do desenvolvimento histórico-cultural do Estado abrangendo diversas fases históricas. As obras são raras e muitas delas desconhecidas tanto do público como dos pesquisadores.


8- “As Estrelas Brilham à Noite”
O livro “As Estrelas Brilham à Noite”, da escritora Nildes Tristão Prieto consiste na culminância do trabalho com poesias ao longo de cinco anos com aquarelas pintadas por crianças de instituições de acolhimento, utilizadas como parte das ilustrações contidas no livro. A utilização dos trabalhos artísticos das crianças, incentivou a caminhada pelo mundo das artes e garantiu uma perspectiva mais profunda ao livro. O livro de poemas leva o leitor a entrar em contato com o mundo imaginário, da criatividade e dos sonhos criado pela autora. A obra permite a exploração do universo poético, dando nova visibilidade a eventos de ”recital de poesias”, que é o momento de socialização entre artista e platéia.


9- “Lipoaspirados”
O livro de contos “Lipoaspirados”, do poeta e escritor Elias Borges, propõe um encontro entre o leitor, as estranhezas da existência humana e as feridas abertas no tempo. Seus microcontos variam dentro de um universo comezinho marcado por uma fina ironia que só cabe quando se sujeita a literatura, à percepção do leitor.


10- “Nishihara-n-chu – Memórias dos Imigrantes de Nishihara – Okinawa”
O livro Nishihara-n-chu – Memórias dos Imigrantes de Nishihara – Okinawa, da pesquisadora Edna Yoshiko Ide Kohatsu, conta ricas histórias de imigrantes japoneses, da cidade de Nishihara, Província de Okinawa (Japão), e de seus descendentes que se radicaram em Campo Grande, Aquidauana e outros estados brasileiros. A publicação é um resgate histórico de personagens que chegaram em, alguns vindos no primeiro navio, Kasato Maru e que trabalharam na construção da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil e depois na plantação de hortaliças, contribuindo para o progresso da região.


11- “Mulheres na Quadra – Um Resgate Histórico do Futsal Feminino em Campo Grande”
O livro “Mulheres na Quadra – Um Resgate Histórico do Futsal Feminino em Campo Grande”, é fruto de livro-reportagem produzido como trabalho de conclusão de curso de Comunicação Social – Jornalismo. O título começou a ser pesquisado em março de 2010 e se pautou pelo ineditismo, já que até então pouco se sabia sobre essa prática esportiva feita por mulheres na Capital. Ele resgata personalidades, histórias, memórias, campeonatos e títulos, além de recortes de jornais e fotografias. Foram realizadas mais de trinta entrevistas com personalidades que se dedicaram ao nascimento e fortalecimento da prática do antigo Futebol de Salão e atual Futsal.


12- “Fábulas Sul-Mato-Grossenses”
O livro “Fábulas Sul-Mato-Grossenses”, da advogada e escritora Vera Tylde Castro Pinto é integrado por quatro fábulas que possuem como cenário a rica biodiversidade do Estado: “Pensamento Pula?”, “Quixote sem Mancha”, “O Exército dos Vagalumes” e “A Coruja Internauta”. Seus personagens são geralmente animais típicos da região e as características geográficas e culturais de Mato Grosso do Sul são descritas através de questões ambientais, existenciais e éticas. As ilustrações de “Fábulas Sul-Mato-Grossenses” nos contos “Pensamento Pula?”, “Quixote sem Mancha”, “O Exército dos Vagalumes” são de autoria de Márcia Cadengue. Já as fotos do livro “A Coruja Internauta” são de arquivos de amigos da autora, escolhidas para exemplificar a expressiva presença dessa ave em nosso cotidiano.


13- Cinema (d)e horror:ensaios críticos
A publicação deste livro é uma primeira reunião de artigos de estudiosos da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e de várias áreas do conhecimento, com ênfase nas Letras, e que têm três visões em comum: tratar de temas ligados ao horror como efeito (de) sentido que se cria no ser humano; aceitar a narrativa fílmica como um suporte artístico inconteste; e trabalhar intertextual e interdisciplinarmente os temas em discussão. “Cinema (d)e Horror: Ensaios Críticos” é um dos resultados das atividades cineclubistas do Cinema (d)e Horror, promovidas há quatro anos na/para a comunidade campo-grandense com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis – PREAE/UFMS, do Centro Cultural José Octávio Guizzo e da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul.


14- “Dilim II: o peixe que desmaiava”
“Dilim II: o peixe que desmaiava –continuação”, da escritora infantil Sandra Andrade, trata de assuntos relacionados à preservação do meio ambiente, da contemplação da natureza, da cultura da paz e a preocupação com a formação de pequenos leitores para a vida inteira. O texto lúdico trata de um peixinho que fala, que aprendeu a ler, a contar estrelas, que gosta de poesia, de ver todas as fases da Lua (principalmente a Lua Cheia), gosta de ouvir música e que desmaia a cada referência de uma depredação feita pelo ser humano à natureza.


15- “Ecos– Contos Ilustrados”
Ecos – Contos Ilustrados, de Arlindo Fernandes, é um livro orgânico, visceral, ontológico. Seus contos são como fragmentos de um caleidoscópio primordial, que mistura o ínfimo e o transcendente, o eterno e o transitório, o real e o fantástico – numa viagem lúcida e lisérgica aos desvãos da alma. Uma viagem que obriga o leitor a transpor os limites da natureza humana e da própria linguagem para encontrar a si mesmo – ora como uma criança, um velho, um alienígena, um selenita, ora como um pajé, um andarilho, uma índia paraguaia ou Deus – pleno em sua diversidade.


16- “José Octávio Guizzo – Um nome em registro eterno”
“José Octávio Guizzo – Um nome em registro eterno” mostra como a vida deste ativista está ligada aos principais acontecimentos culturais de Mato Grosso do Sul. O advogado, jornalista, pesquisador e historiador foi um dos maiores incentivadores das manifestações culturais sul-mato-grossenses. Ele foi ganhador de prêmios de música popular em Campo Grande e no governo do Estado, foi presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul. Teorizou sobre cinema, música e folclore em jornais e revistas.

Jornal Midiamax