Geral

Deputado exige detalhes de aplicação financeira bilionária do Governo de MS

O deputado estadual Paulo Duarte (PT) apresentou nesta quinta-feira (17) pedido ao governo do Estado sobre informações detalhadas das aplicações financeiras feitas com recursos do Estado. O requerimento solicita o envio de extratos dos valores aplicados de janeiro a dezembro de 2009 e 2010, fontes de recursos, instituições financeiras em que foram aplicados os valores, […]

Arquivo Publicado em 17/03/2011, às 19h10

None
492079307.jpg

O deputado estadual Paulo Duarte (PT) apresentou nesta quinta-feira (17) pedido ao governo do Estado sobre informações detalhadas das aplicações financeiras feitas com recursos do Estado.


O requerimento solicita o envio de extratos dos valores aplicados de janeiro a dezembro de 2009 e 2010, fontes de recursos, instituições financeiras em que foram aplicados os valores, tipos de aplicações financeiras (poupança, fundos e outras aplicações) e taxa de rendimentos.


Leia também: Puccinelli tem em caixa dez vezes mais do que precisa para resolver danos da chuva em MS


Com base nas contas do governo, Duarte verificou que a disponibilidade em aplicações financeiras ficou na média de R$ 1,3 bilhão. Esse valor, se aplicado a uma taxa de rendimento de 1% ao mês, ao longo de 2009, renderia uma receita de R$ 164,9 milhões. Porém, o balanço geral demonstrou rendimento próximo dos R$ 82 milhões.


O demonstrativo da dívida consolidada líquida, de janeiro a dezembro de 2010, que consta no relatório de Gestão Fiscal, apresentou uma disponibilidade média de pelo menos R$ 1 bilhão, aplicado no mercado financeiro. Esse investimento resultaria numa receita de aplicação superior a R$ 150 milhões, segundo as taxas praticadas no mercado financeiro.


Em agosto do ano passado, Duarte tentava fazer o governo do Estado revelar detalhes sobre aplicações financeiras em bancos. A única manifestação do governo após várias cobranças do deputado foi o envio de um documento no qual informou ter reservas no valor de R$ 1,2 bilhão, mas o Poder Executivo omitia detalhes.


À época, o deputado tomou a iniciativa após declaração do então secretário de Obras Públicas, Edson Giroto (PR), de que o governo teria em caixa R$ 2,4 bilhões rendendo juros. Quando soube da manifestação do secretário, o governador André Puccinelli (PMDB) desmentiu a reserva.

Jornal Midiamax