Geral

Alunos são beneficiados com curso gratuito de informática básica na Coophavila 2

O Ação Fiems Campo Grande, que leva cursos gratuitos de qualificação profissional até os moradores da periferia da cidade, iniciou cinco turmas de informática básica do Sesi na região do Coophavila 2, beneficiando de imediato 100 moradores. O Programa já conta com 2.832 pessoas qualificadas ou em processo de qualificação nos cursos de informática, costura, […]

Arquivo Publicado em 29/11/2011, às 16h22

None
72079709.jpg

O Ação Fiems Campo Grande, que leva cursos gratuitos de qualificação profissional até os moradores da periferia da cidade, iniciou cinco turmas de informática básica do Sesi na região do Coophavila 2, beneficiando de imediato 100 moradores.


O Programa já conta com 2.832 pessoas qualificadas ou em processo de qualificação nos cursos de informática, costura, pedreiro e eletricista em 18 regiões da Capital – Dom Antônio Barbosa, Los Angeles, Noroeste, Taquaral Bosque, Estrela do Sul, Novos Estados, Nova Bahia, Jardim Anache, Nova Lima, Campo Belo, Estrela Dalva, Portal Caiobá, Santa Emília, Aero Rancho, Nhá-Nhá, Rita Vieira, Coophavilla e Tiradentes.


“O grande mérito deste Programa é conciliar as demandas da indústria com os interesses das comunidades da Capital. É um trabalho conjunto que envolve as lideranças comunitárias na captação das inscrições”, disse o presidente da Fiems, Sérgio Longen.


A coordenadora do projeto de Inclusão Digital do Sesi, Maria José dos Santos Souza, reforça que na Coophavila 2 os alunos estão distribuídos nos períodos matutino, vespertino e noturno em uma sala montada no Centro Comunitário do Bairro. Ela informa ainda, que cada turma possui 20 alunos


O instrutor do Sesi, Evaldenir Amaral da Silva, reforça que os alunos estão sendo receptivos. “É notável a vontade que todos demonstraram em querer aprender, isso é muito bom para nós professores, pois atesta a confiança que eles têm na iniciativa”, disse.


Alunos


A vendedora autônoma, Raimunda Josefa de Moura, 35 anos, busca no aprendizado do curso de informática básica uma oportunidade de emprego melhor. Já Silvania Rodrigues Pereira Batista de Souza, 53 anos, recebe auxílio-doença e não pode trabalhar para fora, então, encontrou no curso uma chance de trabalhar dentro de casa.


Para a aluna Leonice Ernesto, 59 anos, o curso é uma nova ocupação, além de adquirir um conhecimento que hoje é essencial. “Tive muito incentivo dos meus filhos, acho que vou terminar o curso sabendo tanto quanto eles”, garantiu Leonice.


 “Nós defendemos a descentralização do oferecimento dos cursos do Sesi e Senai para facilitar o acesso do trabalhador, que, muitas vezes, não têm nem um passe de ônibus para fazer um curso gratuito no centro da cidade. Estamos fazendo de tudo para que tenhamos um bom número de interessados em todos os cursos”, afirmou a presidente da Associação de Moradores do Bairro Coophavila 2, Maria Bernadete Carvalho.

Jornal Midiamax