Geral

Tuma é enterrado com cortejo dos bombeiros e salva de tiros

Depois de quase 20 horas de velório, o corpo do senador Romeu Tuma (PTB-SP) foi enterrado nesta quarta-feira no Cemitério São Paulo, na Zona Oeste de São Paulo. Após a saída da Assembleia Legislativa de São Paulo, o corpo do senador seguiu para o cemitério em carro aberto dos bombeiros, com um longo cortejo de […]

Arquivo Publicado em 27/10/2010, às 22h25

None

Depois de quase 20 horas de velório, o corpo do senador Romeu Tuma (PTB-SP) foi enterrado nesta quarta-feira no Cemitério São Paulo, na Zona Oeste de São Paulo. Após a saída da Assembleia Legislativa de São Paulo, o corpo do senador seguiu para o cemitério em carro aberto dos bombeiros, com um longo cortejo de autoridades, amigos e parentes do senador morto.


O corpo chegou ao cemitério pouco depois das 15h00. Diversas autoridades da cúpula da Polícia de São Paulo e da Polícia Federal estiveram no sepultamento. Antes do enterro, os familiares do senador fizeram uma cerimônia religiosa restrita apenas aos familiares na capela do cemitério.


No caminho para o túmulo, o corpo do senador foi saudado por uma salva de tiros do 3° Batalhão de Choque da PM, conhecido como Batalhão Militar Humaitá. As honras são concedidas apenas a autoridades, parlamentares ou atletas e artistas com grande representatividade no Brasil.


Durante o sepultamento, os quatro filhos de Romeu Tuma e a esposa dele, d. Zilda, estavam muito emocionados. O filho mais velho do casal, Romeu Tuma Jr. (Tuminha), que leva o nome do pai, disse aos prantos que o senador era um dos poucos homens do País que mereciam “ser enterrado de pé”.


O filho caçula, Robson Tuma, ex-deputado federal, também estava muito emocionado e durante todo o velório ele não saiu do lado do caixão do pai. No momento do sepultamento, afirmou que “a memória do pai será eterna”.

Jornal Midiamax