Geral

Dilma defende fortalecimento do sistema da Receita Eleitoral

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, defendeu hoje (5), em entrevista coletiva, o aprimoramento dos controles da Receita Federal e disse que, se for eleita, fortalecerá os mecanismos do sistema de banco de dados do órgão. “Acho que [o controle dos dados] tem de ser algo bastante rígido, como deve ser […]

Arquivo Publicado em 05/09/2010, às 21h58

None

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, defendeu hoje (5), em entrevista coletiva, o aprimoramento dos controles da Receita Federal e disse que, se for eleita, fortalecerá os mecanismos do sistema de banco de dados do órgão.


“Acho que [o controle dos dados] tem de ser algo bastante rígido, como deve ser o do banco de dados do Banco do Brasil, de bancos privados e de qualquer instituição. A minha proposta é essa: fortalecer o banco de dados e montar um esquema de supervisão bastante rígido.”


Dilma afirmou também que não é possível conviver com naturalidade com o vazamento de dados sigilosos. Na última sexta-feira (3), Mantega afirmou que não existem sistemas invioláveis e que vazamentos no sistema da Receita Federal sempre ocorreram, não são de hoje. Para ela, o que o ministro quis dizer é que não existem sistemas perfeitos.


Antes da entrevista de Dilma, o presidente do PT, José Eduardo Dutra, disse à imprensa que está levantando informações sobre o analista tributário Gilberto Souza Amarante, que trabalha para Receita Federal no interior de Minas Gerais e é acusado de acessar os dados fiscais do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge.


Segundo Dutra, Amarante é filiado ao PT desde 2001. “Entrei em contato com Reginaldo Lopes, presidente do PT de Minas Gerais. Ele está entrando em contato com dirigentes do PT de Arcos, onde o Gilberto é filiado. Com certeza ele não é militante do PT, pode ser filiado”, disse Dutra.


Dutra disse ainda que, se for comprovado que Amarante fez os acessos, terá de responder a processo na Receita e será objeto de um processo do partido. “O partido não concorda com esse tipo de prática. Não tem nenhuma relação com a campanha. Se for comprovado, ele [Amarante} será excluído dos quadros do PT.”

Jornal Midiamax