No confronto de líderes do Grupo D, o derrotou o The Strongest por 1 a 0 nesta terça-feira, no Maracanã, jogando em ritmo de treino. Agora com duas vitórias em dois jogos, o time carioca comanda a classificação da chave de forma isolada e contabiliza seis pontos (três a mais que os bolivianos).

A única preocupação no confronto ficou por conta do lateral-esquerdo Marcelo. O jogador foi substituído com meia hora de primeiro tempo por causa de dores na perna direita e será avaliado pelo departamento do clube.

O Fluminense vira a chave no de semana e centra o foco no Campeonato Brasileiro. A equipe do técnico Fernando Diniz vai a campo no sábado para enfrentar o Athletico-PR, no Rio. Já pela Libertadores, o próximo compromisso é só no início de maio. No dia 2, o confronto vai ser diante do River Plate, novamente no Maracanã. No mesmo dia, os bolivianos visitam o Sporting Cristal

O Fluminense iniciou a partida apostando na troca de passes e na movimentação de seus atacantes para achar uma brecha na defesa adversária. O primeiro bom momento surgiu aos 15 minutos e teve bola na rede em chute de Cano. O lance, porém, acabou invalidado por impedimento do atacante argentino.

A equipe carioca foi envolvendo o The Strongest, chegou a ter 80% de posse de bola, e as oportunidades passaram a ser mais frequentes. Nem a saída de Marcelo, com meia hora de partida diminuiu o ritmo dos cariocas. E o gol acabou saindo em jogada de bola aérea. Ganso iniciou boa trama pela direita e jogou a bola na medida para a cabeçada do zagueiro Nino: 1 a 0, aos 40 minutos e festa nas arquibancadas.

Com o apoio da torcida, o time apertou o cerco nos momentos finais e quase ampliou com John Kennedy. Apesar da superioridade, a falta de capricho nas finalizações fez o Fluminense ir para o intervalo com a vantagem mínima no placar.

Soberano nos primeiros 45 minutos, o Fluminense voltou mais recuado do intervalo e deu espaços para o adversário. O The Strongest começou a explorar as jogadas de velocidade e perdeu uma boa chance de empatar com Quiroga. Ele recebeu passe de Carlos Roca e chutou de meia distância obrigando Fábio a difícil defesa.

A apatia da equipe irritou o torcedor. Em nova investida dos bolivianos, Arrascaita fez o passe e André teve que se esforçar para evitar a conclusão de Ortega. Algumas vaias foram ensaiadas das arquibancadas e Diniz teve que protestar à beira do gramado para o time voltar a tomar conta da partida.

A partir dos 20 minutos, porém, os donos da casa voltaram a ser mais efetivos e controlaram novamente as ações ofensivas do confronto. Pirani e Lelê entraram nas vagas de Arias e Cano para tentar o segundo gol e, assim, definir a vitória.

Jogando por um contra-ataque para buscar o empate, o The Strongest se fechou e apostou na bola longa. Preocupado em não sofrer gol, o Fluminense seguiu controlando a posse de bola e administrou o resultado garantindo a sua segunda vitória em dois jogos na Libertadores.

FICHA TÉCNICA:

FLUMINENSE 1 x 0 THE STRONGEST

FLUMINENSE – Fábio; Samuel Xavier, Nino, Felipe Melo(Vitor Mendes) e Marcelo (John Kennedy); André, Alexsander, Lima e Ganso; Arias (Pirani) e Cano (Lelê). Técnico: Fernando Diniz.

THE STRONGEST – Viscarra; Saúl Torres (José Flores), Castillo, Jusino e Carlos Roca; Quiroga (Junior Arias), Robles, Arrascaita e Isnaldo (Claure); Ortega (Jhon García) e Triverio. Técnico: Ismael Rescalvo.

GOLS – Nino, aos 40 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS – John Kennedy (Fluminense); Triverio (The Strongest)

ÁRBITRO – Carlos Ortega (COL).

RENDA – R$ 2.166, 254,00.

PÚBLICO – 48.605 pagantes.

LOCAL – Estádio Maracanã, no Rio (RJ).