Esportes

Sem patrocínio e de kimono, atletas pedem dinheiro no sinal para participar de Campeonato

Alunos de Taekwondo tem sonho de chegar a Seleção Brasileira

Carol Alencar Publicado em 04/07/2015, às 09h45

None
capa_atletas.jpg

Alunos de Taekwondo tem sonho de chegar a Seleção Brasileira

Há uma semana do grande sonho de muitos atletas de taekwondo de Campo Grande, as provações para chegar até a conquista não foram totalmente concretizadas. Ao invés deles estarem utilizando o tempo livre para treinar, estão no sinaleiro pedindo dinheiro.

De quimono e com um banner explicativo, os atletas estão arrecadando fundos para poderem participar do Campeonato Brasileiro Menores 2015 – uma das maiores no quesito competição de faixas pretas da modalidade no país. O objetivo em si é financiar a viagem da equipe até Londrina, onde acontecerá o Campeonato nos dias 11 e 12 de julho.

Ao MidiaMAIS, o mestre de taekwondo Fábio Costa, explicou que para levar a equipe, será necessário valor de R$ 4 mil para transporte, alojamento e alimentação. “Alguns deles não precisam participar da arrecadação, têm dinheiro, o pai ajuda; mas eles estão juntos, gostam de ajudar uns aos outros, e isso só desenvolve a união da equipe”, comenta.

A ideia de ir para o sinal partiu de Luiz Felipe, faixa preta de 10 anos, durante uma conversa da equipe de competição da Equipe Fábio Costa após o treino onde estavam procurando uma solução para que pudessem participar do campeonato. A turma de 10 atletas, com idades entre 10 e 21 anos, se reuniu desde a última quarta-feira (1) das 17 às 20 horas para pedir apoio dos motoristas da Avenida Júlio de Castilho – rua em que fica a academia.

Ainda segundo Costa, a única diferença em sair às ruas para arrecadar fundos é decorrente do aumento de alunos que sua academia teve nos últimos meses. “Geralmente a gente escreve de 3 a 5 atletas e desta vez, escrevemos 14 participantes, é a primeira vez que a gente tem uma equipe tão completa e praticamente todos tem o sonho de um dia entrar para a seleção brasileira, por isso o empenho é geral”, argumenta o professor alegando que já encaminhou ofício para a Fundação Municipal de Esporte e não obteve êxito.

“Só agora que consegui encaminhar um ofício para a Fundesporte – Fundação Estadual de Esporte para eles ajudarem a pagar a van, porque a nossa equipe aumentou e precisaremos de um reforço maior”, diz.

Uma das vantagens deste evento é que o atleta campeão ou vice pode pleitear a bolsa atleta nacional onde receberá ajuda de custo por um ano. Facilitando seus treinamentos e sua participação eventos.

Matheus Gama, 17 anos é o irmão do meio de uma família de três filhos. Os pais não tem condições de bancar a ida dele para o Campeonato, uma vez que sua irmãzinha caçula ainda é bebê e dá outro tipo de despesas. Seu maior sonho é um dia chegar a participar de uma Olimpíada e ele vê no esporte, um grande sonho. “Procurei o taekwondo para não me tornar um sedentário, é um esporte muito bom pra mim e to levando como um sonho, de verdade, quero muito ser um atleta e um dia poder representar meu Estado e meu País”, indaga Matheus alegando que anda treinando muito para poder participar, um dia, das Olimpíadas.

Entre as jovens promessas, estão Pedro Paz (Campeão Brasileiro Interclubes de 2015), Suzanna de Almeida Aquino (Campeã Brasileira Interclubes de 2015 e vice-campeã brasileira 2014), Giovanna de Almeida Aquino (Campeã Brasileira Interclubes de 2015), Luiz Felipe de Almeida Aquino (3º Colocado Brasileiro Interclubes de 2015 e vice-campeão brasileiro 2014), Viviane Melo Soares (3º Colocada Brasileiro Interclubes de 2015), Michele Silva Areco (4º Colocada Brasileiro Interclubes de 2015 e campeã brasileira 2013), Matheus Gama (campeão brasileiro 2013), Natan Lopes (vice-campeão do Brazil Open 2014), Luiz Henrique Loureiro (campeão do desafio Brazil x Chile no Brasil Open 2014) e Lincoln Costa (atleta da seleção brasileira 2015).

Em três dias de sinaleiro, a equipe da academia Fábio Costa arrecadou cerca de R$ 1.000.

Jornal Midiamax