Dados do Indicador de Tentativas de Fraude da Serasa Experian apontam que é o 15º entre estados que mais registraram tentativas de fraude, com 13.479 ocorrências, no mês de novembro de 2023.

Nesse mesmo ano, a região Centro-Oeste do Brasil registrou 80.513 tentativas de fraude no mês de novembro de 2023, com o estado de Goiás liderando o ranking, registrando 27.208 ocorrências. Em 2º lugar, Distrito Federal registra 20.146 tentativas de fraude, enquanto Mato Grosso ocupa o 3º lugar, com 19.680 investidas criminosas malsucedidas.

Em âmbito nacional, criminosos tentaram cometer 26.798 fraudes por dia, que resultaram em 830.740 no mês de novembro, sendo uma a cada 3,1 segundos, demonstrando uma queda de 0,8% na comparação com outubro.

Das tentativas de fraude, 35,9% foram contra consumidores com idades entre 36 e 50 anos, enquanto 20% contra pessoas de 26 a 35. Já o público idoso, acima de 60 anos, representa 19,9% das ocorrências. Foram 17,3% investidas criminosas cometidas contra aqueles com idade entre 51 e 60 anos e 7% contra jovens de até 25 anos.

Os dados indicam que o setor de “Bancos e Cartões” foi o mais visado pelos fraudadores em novembro, com 50% das investidas criminosas, enquanto o setor de “Telefonia” representa 1,3%.

O diretor de Produtos de Autenticação e à Fraude da Serasa Experian, Caio Roch, explica que a quantidade de tentativas de fraude do indicador é referente ao momento de abertura de contas ou pedidos de cartões de crédito. 

“Para garantir que essas transações estão sendo feitas por pessoas que são realmente quem se dizem ser, sem deixar de lado a preocupação em causar impacto negativo na experiência do usuário, as empresas precisam contar com processos ágeis e tecnológicos. Isso envolve aprimorar as camadas de proteção para uma análise assertiva e capaz de identificar comportamentos suspeitos para diminuir a incidência de golpes e a lesão a companhias e consumidores”.

Idosos vítimas de golpes em MS

No mês de dezembro, quatro idosos foram vítimas de golpe na cidade de Sidrolândia e . A vítima, de 75 anos, relatou que recebeu uma ligação de uma pessoa dizendo que seria ‘vendedor da Casas Bahia' e informou que estariam tentando comprar um televisor no nome dela.

O suspeito então repassou a ligação para uma pessoa, que seria ‘atendente de um banco' e pediu várias informações para checar a compra, inclusive dados da conta e senha do cartão da idosa. Mas, mais tarde, familiares da vítima constataram que ela havia transferido R$ 7,5 mil para uma conta que não sabe quem é o dono.

De acordo com as informações do portal Noticidade, de , mais dois casos de estelionato foram registrados na cidade. Uma outra idosa, de 79 anos, também perdeu mais de R$ 5 mil e um homem, de 63 anos, teve prejuízo de R$ 3,4 mil.

Já na Capital, uma idosa, de 71 anos, procurou a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro da cidade, após ter sido vítima de estelionato. A mulher recebeu o contato de um número desconhecido, que se identificou como sua filha.

Ela disse que estava com problemas no celular e, por isso, havia mudado de número. Então, perguntou se a vítima poderia fazer uma transferência bancária no valor de R$ 2.280 para um Pix de CPF, uma vez que seu aplicativo bancário não estava funcionando. Acreditando estar ajudando a própria filha, a idosa realizou o Pix e encaminhou o comprovante de transferência.

Em seguida, o número desconhecido solicitou mais R$ 2.000, momento em que a idosa estranhou a situação e ligou para o número antigo de sua filha, que atendeu e informou que não havia trocado de número, nem pedido dinheiro. A vítima, então, descobriu que caiu em um golpe.

Dicas para evitar ser vítima de golpe

Ocorrências de fraudes são registradas constantemente nas delegacias e, para evitar ser vítima dos golpistas nestes casos, é preciso tomar alguns cuidados. Confira algumas dicas: 

  • Garanta que seu documento, celular e cartões estejam seguros e com senhas fortes para acesso aos aplicativos;
  • Desconfie de ofertas de produtos e serviços, como viagens, com preços muito abaixo do mercado. Nesses momentos, é comum que os cibercriminosos usem nomes de lojas conhecidas para tentar invadir o seu computador. Eles se valem de e-mails, SMS e réplicas de sites para tentar coletar informações e dados de cartão de crédito, senhas e informações pessoais do comprador;
  • Atenção com links e arquivos compartilhados em grupos de mensagens de redes sociais. Eles podem ser maliciosos e direcionar para páginas não seguras, que contaminam os dispositivos com vírus para funcionarem sem que o usuário perceba;
  • Cadastre suas chaves Pix apenas nos canais oficiais dos bancos, como aplicativo bancário, Banking ou agências;
  • Não forneça senhas ou códigos de acesso fora do site do banco, ou do aplicativo;
  • Não faça transferências para amigos ou parentes sem confirmar por ligação ou pessoalmente que realmente se trata da pessoa em questão, pois o contato da pessoa pode ter sido clonado ou falsificado;
  • Inclua suas informações pessoais e dados de cartão somente se tiver certeza de que se trata de um ambiente seguro.

*Atualizada às 17h13 para correção de informações