Com da pesando no bolso dos consumidores, comerciantes já perceberam um hábito de consumo nos açougues e casas de carnes de : economizar na ‘mistura’ da semana para ‘comer melhor’ no fim de semana.

“O povo compra bastante a carne branca durante a semana e no final de semana é carne para assar”, explica a proprietária de uma casa de carne na Albert Sabin, Raquel Riquelme. “Eles procuram o porco e frango porque está mais em conta”, diz ao Jornal Midiamax.

No local, a procura é maior pela alcatra e pelo coxão mole (R$ 38,99), além da ponta de costela (R$ 37,99). Segundo ela, apesar dos números do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) apontarem retração no segmento de alimentação em fevereiro, o não foi expressivo nas carnes.

carne preço
Capas de coxão mole e contrafilé são opções mais em conta do que a picanha para o churrasco de domingo (Foto: Kísie Ainoã/ Jornal Midiamax)

“Está no mesmo valor e tem até previsão de aumento; a arroba vai subir”, conta. O segmento de alimentação e bebidas foi o único que teve retração de 0,82% em fevereiro. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), as refeições em casa ficaram mais baratas no mês passado, bem como as carnes, batata e tomate.

Preço volátil

O mesmo acontece no açougue do Mercado Ferracine, na Avenida Manoel Joaquim de Moraes. “No final de semana o pessoal que pode cai para a picanha, mas a capa de coxão mole e a de contrafilé são as mais vendidas”, conta a proprietária Merlei Aparecida, de 55 anos.

“Durante a semana é a carne de segunda. A carne moída é a campeã de vendas durante a semana. Eles estão atrás também do frango e carne de porco. De fevereiro para cá o consumo [desses itens] aumentou em 25%”, revela à reportagem.

carne
Promoção de coxão mole (Foto: Kísie Ainoã/Jornal Midiamax)

Sobre o preço da carne, ela diz que houve uma queda de R$ 0,30 no mês passado, mas o valor já está quase sendo atingido novamente. No estabelecimento, a picanha está R$ 54,99, a capa de coxão mole R$ 37,99 e o contrafilé R$ 38,99.

“No final do mês o consumidor começa a comprar mesmo, aí os frigoríficos fazem uma diferença [baixam o preço]. Quando você está contente com o preço, eles aumentam de novo”, explica.

E no bolso?

Conforme consumidores, essa retração das carnes não foi sentida. “Para mim está o mesmo preço”, opina o açougueiro Márcio Oliveira, de 44 anos. Há 12 anos no ramo, ele garante que os preços na quaresma do ano passado são os mesmos deste ano.

Da mesma opinião compartilha o pedreiro Valdeir Barbosa da Silva, de 48 anos, que estava em uma casa de carnes comprando bisteca suína. “Está mais barata que a bisteca bovina”, justifica ao Jornal Midiamax. “Para mim não mudou muita coisa não. De forma geral, nos açougues que eu vou, teve pouca variação”, diz.

carne preço
Consumidores não sentiram diferença nos preços das carnes (Foto: Kísie Ainoã/Jornal Midiamax)

Saiba Mais