O conselheiro tutelar Marcelo Marques de Casto perdeu o cargo nesta sexta-feira (26), conforme publicação do Diogrande (Diário Oficial de ). O profissional fazia parte do Conselho Tutelar há 12 anos.

Nesta última eleição, Marcelo foi empossado no Conselho Tutelar da Região Lagoa e concorreu a sua quarta reeleição Sub Judice. Ou seja, só participou por conta de decisão judicial.

De acordo com a publicação, Marcelo informou um atestado médico desde 2023, mas não entregou o documento dentro do prazo dado pela SAS (Secretaria de Assistência Social). Ele foi substituído pela conselheira Daniela da Silva Moreira.

Eleição Sub Judice

Conforme processo em curso na Vara de Pública e Registros Públicos de Campo Grande, Marcelo teve candidatura indeferida na última eleição por não ter “idoneidade moral reconhecida”.

Para a decisão, foi levado em consideração inquérito policial em que Marcelo é alvo por crimes de falsificação e constrangimento ilegal. Conforme as investigações, os crimes teriam sido praticados no exercício do cargo. Além disso, ele ainda tem condenação por receptação. 

Outro caso

O conselheiro tutelar Daniel Castro Lima foi desposto do cargo nesta quinta-feira (18), por conta da suspeita de agressão a uma de 9 anos em uma UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) da Capital na época que atuava como técnico de enfermagem.

O caso teria acontecido em 30 de agosto de 2023, antes da eleição para conselheiros tutelares. A mãe da criança procurou a alegando que o filho foi agredido por Daniel. Na publicação em diário oficial consta que ele foi substituído do cargo por determinação judicial.