, município a 469 km de Campo Grande, registrou o primeiro caso confirmado de em Mato Grosso do Sul, neste ano. O caso foi registrado em janeiro. Os dados constam no boletim da SES-MS (Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul) sobre a quinta semana epidemiológica. As informações foram contabilizadas até 3 de fevereiro. 

O Estado registrou dez casos prováveis da doença transmitida pelo – também vetor da dengue e chikungunya. 

Os casos prováveis são a soma de casos em investigação, casos confirmados e ignorados. Não são considerados os casos descartados. 

Anaurilândia e registraram três casos prováveis de cada um. Sete Quedas, Rio Verde de Mato Grosso, e Naviraí têm, até o momento, uma notificação cada um. 

Perfil

Jovens de 10 a 19 anos lideram os casos prováveis, com 30% dos registros. As faixas etárias de 20 a 29 anos, 30 a 39 anos e 40 a 49 anos são em 20% cada. 

Já as mulheres representam 70% dos casos, enquanto os homens são responsáveis por 30% das notificações. 

Confira as dicas para afastar o Aedes aegypti: 

  • Evitar água parada em pneus, latas e garrafas vazias;
  • Cuidar de plantas, vasos, potes e outros objetivos que acumulem água;
  • Realizar a limpeza regular da caixa d’água e sempre mantê-la fechada com a tampa adequada;
  • Verificar calhas, retirando folhas, galhos e o que possa impedir a água de escorrer;
  • Colocar lixo em sacos plásticos e manter a lixeira fechada;
  • Eliminar entulhos do quintal;
  • A água do pote do animal de estimação deve ser trocada com frequência;
  • Eliminar copinhos plásticos, tampas de refrigerante e sacos abertos que possam acumular água;
  • Piscinas que não estiverem em uso devem ser cobertas para evitar a proliferação dos mosquitos;
  • Tampar os ralos;
  • Em caso de obras, ficar atento a equipamentos como lonas, carrinhos de mão e betoneiras para não acumularem água;
  • Fazer limpezas regulares da bandeja externa da geladeira e da bandeja coletora de água do ar-condicionado.