é uma capital com grande diversidade de animais e recebe muitos turistas que chegam a Mato Grosso do Sul sedentos por natureza e que têm e como destino. Mas uma publicação gerou debate nas redes sociais, quando questionaram em um grupo se a Cidade Morena possuía zoológico.

Vários usuários sugeriram visitar os animais do Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), local onde tradicionalmente as pessoas iam para poder ver animais da fauna local. No entanto, ao descobrirem que o centro não está mais recebendo visitas, muitos se questionaram sobre o real motivo para não poderem mais visitar os bichos.

“Para fins informativos: O CRAS da Polícia Ambiental no Parque dos Poderes não permite visitação! Há muitos anos, o local é destinado ao acolhimento de animais silvestres feridos, que, após tratamento, são devolvidos ao seu habitat natural, exceto em casos excepcionais. Mantenham-se atualizados”, destaca um comentário na publicação.

Em contato com a administração do Cras, foi esclarecido que o local tem foco no bem-estar e reabilitação dos animais, por isso, não é considerado um zoológico.

“Ainda não há previsão para a retomada das visitas ao público em geral”, enfatiza a nota enviada pelo Cras.

Além disso, a Resolução n° 489 de 26 de outubro de 2018 do Conama (Conselho Nacional do ) estabelece critérios para empreendimentos que mantêm fauna em cativeiro. Portanto, somente os zoológicos têm permissão para receber visitantes.

Para outros empreendimentos, incluindo o Centro de Reabilitação de Animais Silvestres, fica a critério do órgão ambiental autorizar visitas monitoradas de caráter técnico-científico.

“O tipo de visitação que o CRAS costumava receber não se adequava aos requisitos da norma atual, uma vez que era voltado para o público em geral”, esclareceu. Para visitas de caráter técnico-científico, é necessário agendar por meio de um ofício enviado ao Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul).

Então, é possível afirmar que o local não receberá mais visitação. A não ser, é claro, que um dia obtenha o status de zoológico, o que não está nos planos atuais.

Reabilitação

Macaco-prego resgatado pela PMA
Macaco-prego resgatado pela PMA (Foto: Divulgação, PMA)

Inaugurado em julho de 1987, o CRAS tem o objetivo de receber, avaliar e reintegrar à natureza animais silvestres apreendidos em operações contra o tráfico, atropelamentos em rodovias ou entregas voluntárias.

Um dos primeiros Centros de Triagem de Animais Silvestres no Brasil, o Cras desempenha um papel fundamental na reabilitação de animais. Ao longo dos anos, diversos animais foram acolhidos, como o macaco-prego resgatado em abril na cidade de Dourados, após escapar de um cativeiro.

O macaco-prego, espécie ameaçada de extinção, foi resgatado pela PMA (Polícia Militar Ambiental), depois de ficar preso em galhos de árvores. No momento do resgate, ele usava fraldas e estava com uma corda amarrada no pescoço, indícios de que era mantido em cativeiro. Após o resgate, ele foi levado ao Cras para reabilitação.

Referência nacional

Tucano
Tucano com implante de prótese de bico (Foto: Divulgação, Cras)

Em abril do ano passado, um tucano resgatado pelo Cras recebeu uma prótese de bico, o que possibilitou uma nova vida. A prótese, feita com um filamento especial, foi produzida em uma impressora 3D doada pelo naturólogo Richard Rasmussen.

Em 2020, o Cras realizou um implante de bico em uma arara-canindé e, em outubro de 2021, implantou uma prótese 3D na perna de uma seriema adulta. Todos os procedimentos tiveram reconhecimento nacional, envolvendo instituições de ensino superior do país.

O local possui um centro de atendimento veterinário, biotério, recintos para aves, mamíferos e répteis, local para treinamento de voo, cercados e áreas para mamíferos de médio porte.

O Cras está localizado no Parque Estadual do Prosa e é uma coordenadoria da Gerência de Recursos Pesqueiros e Fauna, vinculado ao Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), órgão vinculado à Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Familiar).

Onde visitar animais em Campo Grande?

Bioparque-Pantanal
Bioparque Pantanal (Foto: Henrique-Arakaki, Midiamax)

Embora Campo Grande não tenha zoológicos, a Capital abriga o maior aquário de água doce do mundo, o Aquário do Pantanal, Bioparque. O local é aberto à visitação de forma gratuita.

O Bioparque abriga mais de 40 mil animais de 359 espécies diferentes. Desde a inauguração em 2022, o local registrou mais de 200 reproduções de 40 espécies diferentes. Algumas até de animais ameaçados de extinção como o Cascudo-angélicos.

Além disso, a cidade conta com diversos parques e locais onde é possível observar animais como capivaras, quatis e aves em seu habitat natural. Algumas opções incluem o Parque das Nações Indígenas, Lago do Amor e Parque dos Poderes.