A de enfrenta um caos no atendimento com a superlotação de leitos, especialmente na área de cirurgias ortopédicas, o que tem forçado o a acelerar as altas para evitar o colapso na assistência aos pacientes.

Desde o dia 3 de abril deste ano, a Santa Casa aponta dificuldades para atender a alta demanda e solicita apoio do poder público para desafogar os atendimentos.

Em nota divulgada nesta terça-feira (30), o diretor técnico, Dr. William Leite Lemos, afirmou que o hospital vive um “caos” desde a semana passada e chegou a ter quase 60 pessoas aguardando por cirurgia ortopédica no setor de pré-ortopedia. 

A equipe médica foi reforçada para atender à alta demanda, mas ainda há quase 40 pacientes aguardando o procedimento. 

“Na Unidade de Decisão Clínica Não-Critica (verde) tivemos mais de 70 e com muito custo e esforços intensos das equipes agora estamos em 49. Na Unidade Crítica (vermelha), tivemos 32 pacientes e chegamos a ter 2 pacientes tendo que ser ventilados manualmente pela falta de postos de atendimento com respiradores, uma vez que todos os disponíveis estavam ocupados”, afirmou. 

santa casa aditivo
Santa Casa de Campo Grande. (Foto: Nathalia Alcântara/Jornal Midiamax)

Ele acrescenta que somente hoje de manhã foi resolvido o problema da ventilação mecânica. “Vale lembrar que a ventilação manual deve ser o último recurso, pois expõe o paciente a riscos grandes de lesão e má-ventilação”, explica. 

Além disso, o hospital afirma que pacientes foram colocados nos corredores externos e até cadeiras estão em falta. “Além do risco assistencial, a equipe está cada vez mais sobrecarregada”, diz o diretor na nota.

Assim, a Santa Casa enviou ofício à (Secretaria Municipal de Saúde) e demais autoridades na manhã do dia 22 de maio para solicitar apoio para desviar o fluxo de pacientes e está acelerando as altas para “não entrar em ponto de colapso”. 

Apoio foi solicitado a SUPRIS e Regulação para afastar a possibilidade de restrição total do serviço, o que é analisado pela Diretoria Técnica.

O Pronto-Socorro nesta terça-feira conta com 70 pacientes, sendo 49 na Unidade de Decisão Clínica – Não Crítica (Área Verde), com 34 internados e 15 em observação. 

Na Unidade Decisão Clínica Crítica (Área Vermelha) estão 21 pacientes, sendo 20 internados (com 6 intubados).