A interdição da ponte no cruzamento da Rua José Antônio e Avenida Fernando Corrêa da Costa, em Campo Grande, está completando 1 mês nesta quarta-feira (1º), sem ter ainda um projeto pronto para reparos.

De acordo com o secretário Domingos Sahib Neto, da Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos), a pasta ainda trabalha no projeto e também no orçamento da obra.

“Está demorado? Está, mas é porque a gente teve alguns contratempos. Mas até o fim de semana já devemos solucionar o problema”, disse o representante ao Jornal Midiamax. A ponte está interditada desde o dia 1º de fevereiro, por conta do risco de desmoronamento.

Parte do solo que servia de base para uma ponte sobre o Córrego Prosa cedeu e, por isso, a estrutura sofre riscos. Em imagens feitas no local, é possível notar considerável distanciamento entre o solo e a estrutura de concreto na cabeceira da ponte, embaixo da passarela usada por pedestres.

Prejuízo no trânsito

As pistas foram interditadas com fitas, cavaletes e tambores da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito). Pela manhã, uma equipe do órgão estava orientando o trânsito no local, no entanto, antes da chegada dos agentes, pedestres e motociclistas foram vistos se arriscando e furando o bloqueio feito. 

Na Fernando Corrêa, no sentido Bairro/Centro, as duas pistas estão interditadas, no sentido contrário, apenas uma pista está liberada. Para facilitar o trânsito, a Agetran fez desvio pela Rua Sebastião Lima, que teve o sentido da via alterado.

A recomendação é para que condutores busquem rotas alternativas, já que o trecho tem tido congestionamento em horários de pico.