Há cinco anos, o destino de do jovem Gabriel Mareco é o mesmo. Ele se reúne com dezenas de jovens para “servir ao Cristo” em acampamentos realizados por igrejas católicas. O movimento é enorme e reúne milhares de jovens durante os dias da festa popular.

“Nunca fui de festa e bloquinhos no Carnaval. Eu costumava ir para a fazenda, descansar, mas desde 2018 eu frequento os acampamentos da igreja”, conta ele, enquanto faz as malas para mais um acampamento de Carnaval.

Neste ano, o jovem de 25 anos vai participar do acampamento da paróquia Auxiliadora, no município de Maracaju. Animado para mais um encontro com Deus e amigos, ele conta o que mais gosta da experiência.

“É no acampamento que a gente lembra que Deus é nossa base, porque na correria do dia a dia a gente acaba esquecendo que Deus é quem nos deu a dádiva da vida. O acampamento ajuda a despertar essa chama que existe dentro da gente”, diz o jovem.

Dias de reflexão, amizades e encontro pessoal

Responsável pela juventude católica de Campo Grande, o padre Liniker afirma que pelo menos cinco acampamentos grandes devem acontecer neste Carnaval, além de outros retiros e encontros.

No Santuário da Nossa Senhora da Abadia, o acampamento de Carnaval deve reunir 160 jovens, além de outros 400 que vão para trabalhar. O encontro reúne adolescentes entre 14 e 17 anos.

“São quatro dias de encontro pessoal com Deus, para refletir a vida, as dificuldades do ser adolescente, questões familiares, além de temas importantes como depressão, ansiedade, e conscientização na proposta de viver um Carnaval sadio”, explica o padre.

Ainda de acordo com ele, a maioria dos jovens participantes é de fora da igreja e convidados de outros. Mas o efeito do acampamento é o melhor. “A maioria deles persevera na caminhada com Deus”.

Jovens longe dos exageros do Carnaval

Se por um lado as festas de Carnaval são regadas a bebidas alcoólicas e ‘pegação' entre os jovens, a proposta da é criar ambientes em que jovens se sintam confortáveis para se expressar.

“Deus nos fez livres e na liberdade que devemos educar nossos jovens. Meu desejo é que os jovens não participem de festas onde aconteça qualquer que seja o desequilíbrio, no álcool, nas drogas, nas músicas ou até mesmo nas relações humanas”, explica o Padre Gustavo do município de Rochedo.

Segundo ele, tais exageros e desequilíbrios contribuem para uma sociedade desestruturada e longe da consciência de que “somos templos do Espírito Santo”. Para o padre, proibir não é a melhor opção. “Temos que criar ambientes dentro da Igreja, nas famílias ou na sociedade que os jovens possam expressar sua jovialidade de forma saudável e cristã”, destaca.

Carnaval termina no início da quaresma

Para a igreja Católica, o Carnaval termina com o início da quaresma na quarta-feira de cinzas. Também é quando se inicia a Campanha da Fraternidade que este ano tem como lema: Fraternidade e Fome.

“Na Igreja Católica, logo após o Carnaval nos adentramos em um tempo litúrgico chamado Quaresma que é de grande importância, é uma preparação para vivermos uma que é o resumo da nossa fé, paixão, morte e ressurreição de Cristo”, explica o Padre Gustavo.