vive uma alta de acidentes por picadas de escorpiões neste ano. Em setembro passado, a média de ataques do animal peçonhento em humanos já superou os números de 2022. O caso mais recente é da de 1 ano de idade internada no HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) depois de ser atacada em casa, em . Um ecocardiograma indicou que o veneno atingiu o coração da bebê.

Nos 12 meses do ano passado, houve 267 ataques do aracnídeo no Estado. Uma média de 22 ataques por mês, ou 0,7 por dia. Neste ano, os números aumentaram, de janeiro a setembro de 2023 foram 334 ataques, o que representa média mensal de 37 casos, ou seja, 11 acidentes de escorpiões por dia em Mato Grosso do Sul.

Dados do Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação), do Ministério da Saúde, mostram aumento de óbitos por picadas de escorpião ano a ano em Mato Grosso do Sul, pelo menos desde 2011, período mais antigo em que os dados são disponibilizados na plataforma. 

Enquanto em 2011 e 2013 foram registradas duas mortes em cada ano, no ano passado o número saltou para 10 vítimas fatais de picadas do animal peçonhento, o maior da série histórica. A plataforma não apresenta mortes nos anos de 2012 e 2020.

Assim, no comparativo entre os anos de 2011 e 2022, a quantidade de mortes por picada de escorpião em Mato Grosso do Sul cresceu cinco vezes.

Mortes por acidente com escorpião em Mato Grosso do Sul

Ano AcidenteÓbito pelo agravo notificado
20112
20132
20141
20156
20165
20171
20182
20191
20217
202210
TOTAL3737

*Os dados sobre 2012 e 2020 não foram informados pelo sistema.

Fonte: Ministério da Saúde/SVS – Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan Net

Mudanças no atendimento

escorpião
Escorpião-amarelo (Reprodução, Agência Brasil)

Segundo o Superintendente Estadual do Ministério da Saúde no Mato Grosso do Sul, Ronaldo Costa, uma das causas do aumento de mortes poderia estar ligada à reestruturação do Ciatox (Centro de Informação e Assistência Toxicológica), antigo Civitox (Centro Integrado de Vigilância Toxicológica).

Ele conta que participou da criação do Civitox no começo dos anos 2000, que funcionava no HRMS. Assim, com o tempo e os atendimentos, uma equipe multiprofissional se especializou em casos de intoxicação e acidentes com animais peçonhentos.

“Com o tempo, como os casos chegavam no mesmo lugar, as pessoas iam se especializando com a demanda nas abordagens e tinham mais precisão no diagnóstico para definir o tratamento. Então, o tempo para decidir o que fazer com o paciente foi se aprimorando”, ele relembra.

Porém, o centro integrado saiu do hospital e se instalou em outro endereço, se tornando um centro de informações aos profissionais de saúde que atendem a população que foi picada por animais peçonhentos. 

Assim, na visão do superintendente, a qualidade do atendimento foi afetado, já que muitos pacientes não procuram diretamente ao hospital. Em casos graves, é necessário aguardar por uma vaga e a transferência. 

“Quando você tira a demanda, você tira a habilidade da equipe. Tanto é que a gente está começando a assistir mais mortes de pessoas picadas por escorpião”, ele avalia. 

Cuidados

Altas temperaturas aliadas aos ambientes úmidos são propícios para abrigo do aracnídeo, principalmente na área urbana, como esgotos, fossas e entulho. Escorpiões se alimentam de outros aracnídeos comuns nesses locais.

A nota orientativa do Ministério da Saúde indica que o escorpião tende a migrar para residências quando sobe a temperatura. A saída de esgotos, ralos e pias são os ambientes de entrada do bicho. A recomendação é vedar esses espaços, com telas ou tampas.

  • Tampar festas de portas com panos ou soleiras;
  • Afastar camas e berços das paredes;
  • Vistoriar sapatos e roupas antes da criança vestir;
  • Sacudir cobertores;
  • Isolar o ralo de tanques, pias e banheiro.

O ambiente sujo favorece o surgimento do bicho. Manter a área externa sempre limpa inibe a infestação de insetos. Para evitar o aparecimento, o Ministério da Saúde sugere a importância da vizinhança em prol da limpeza.

  • Mantenha jardins e quintais livres de entulho;
  • Evite acúmulo de folhas secas;
  • Evite lixo doméstico por dias no quintal;
  • Mantenha o lixo fechado para evitar baratas;
  • Denuncie matagal em terreno baldio;
  • Espaços com materiais de construção devem ser monitorados.

O que diz a SES?

A SES-MS (Secretaria Estadual de Saúde), responsável pelo Ciatox, explicou por meio de nota que o centro funciona 24 horas por dia e que não há dificuldades para atender à demanda, com plantonistas na equipe. 

Confira abaixo a nota na íntegra:

O Centro de Informação e Assistência Toxicológica – CIATox/MS é um serviço de Toxicologia com funcionamento 24horas que envolve o atendimento do paciente exposto ao toxicante, para prevenir e diagnosticar a intoxicação e aplicar-lhe uma terapia específica, orientando a melhor conduta as equipes de saúde além de realizar ações externas relacionadas a capacitação, prevenção e educação em saúde para profissionais e a população em todo o Estado.

Para tanto, quanto ao questionamento referente a e quadro de pessoal atual ser suficiente para atender a demanda. A Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul esclarece que a informação, de possuir dificuldade, não procede, e que os atendimentos ocorrem de forma regular com plantonista em toda a escala de trabalho. Informamos ainda que o CIATox desenvolve constantes ações e medidas para aprimoramento das estruturas, do fluxo de trabalho e das equipes de atendimento.

Crianças são as principais vítimas

Além do caso da bebê picada no bairro Coophavila nesta semana, em Campo Grande, outras três crianças foram vítimas de ataques e morreram em Mato Grosso do Sul neste ano.

Somente na cidade de Ribas do Rio Pardo, a 96 quilômetros de Campo Grande, foram registradas duas mortes. Entre as vítimas estão Maria Fernanda, de 4 anos, que foi picada enquanto dormia, e Pyetro Gabriel Arguelho, de 5 anos, que foi picado ao calçar o sapato.

Em 23 de setembro, uma menina de seis anos, moradora de Brasilândia, a 328 km de Campo Grande, foi picada pelo animal peçonhento, não resistiu e morreu no dia seguinte depois de ser transferida para um hospital em Três Lagoas, a 326 km da Capital.