Com o objetivo de ampliar a cobertura vacinal em Mato Grosso do Sul, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) instituiu o Avaq (Comitê Estadual de Microplanejamento das Atividades de Vacinação de Alta Qualidade). A resolução, publicada no DOE (Diário Oficial do Estado) desta terça-feira (5), visa cooperar com as políticas públicas para sistematização, planejamento e execução das ações de vacinação.

A criação do Comitê considera a política do e da Secretaria de Saúde de Mato Grosso do Sul, que prioriza o resgate de altas coberturas vacinais nos programas de rotina e outras estratégias de vacinação, visando a erradicação, eliminação e controle de doenças imunopreveníveis.

Dentre as atribuições e competências do Comitê, estão o apoio à formulação e validação da agenda de trabalho anual do Microplanejamento, a capacitação de recursos humanos para a implementação das ações de imunização e a coordenação das atividades de gestão de risco e vigilância de Eventos Supostamente Atribuíveis à Vacinação.

As ações do Comitê também serão implementadas nas escolas do Estado, com destaque para:

  • Determinação do período de execução das ações de vacinação, considerando o calendário acadêmico;
  • Planejamento conjunto com o corpo docente para o agendamento das ações;
  • Incorporação da pauta nas atividades de rotina de docentes e funcionários administrativos.

Para ampliar a vacinação em grupos étnicos, como indígenas, migrantes e demais populações vulneráveis, o Comitê pretende apoiar na criação de materiais informativos conforme as linguagens e características específicas dessas populações. Além disso, realizará atividades de mobilização social, incluindo mapeamento social e auxiliará a campanha midiática, proporcionando mensagens claras e breves.

Cobertura vacinal segue abaixo do estimado em MS

vacinação
Carteira de vacinação de crianças deve constar imunizante da em 2024. (Divulgação, PMCG)

Dados do sistema Mais Saúde da SES (Secretaria de Estado de Saúde) confirmam que a maioria das vacinas segue com uma cobertura abaixo do estimado, com percentuais entre 58% e 63% do público imunizado. Confira a seguir os destaques.

BCG

O maior percentual de bebês imunizados é referente à vacina BCG, com 65% do público-alvo atingido, o que corresponde a 8.343 vacinados. Já o número de crianças com a dose em atraso é de 4.397.

A vacina BCG é de dose única e protege contra a tuberculose, doença contagiosa provocada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis. A doença não afeta apenas os pulmões, mas também ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro).

Dados da (Secretaria Municipal de Saúde) complementam um cenário potencialmente caótico: foram notificados 439 casos de tuberculose e 37 óbitos em 2021. Já em 2022, o número subiu para 532 registros e 38 mortes pela doença.

Meningococo C

A vacina meningococo C protege contra a doença meningocócica, um tipo de meningite causada pelo sorogrupo C. Em Campo Grande, o número de crianças imunizadas é de 7.791, ou seja, 61%. Enquanto isso, 4.949 bebês seguem com a dose em atraso.

A meningite é uma inflamação das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, podendo ser causada por bactérias, vírus, fungos e parasitas. No Brasil, a doença é considerada endêmica, sendo a modalidade bacteriana mais comum no outono e no inverno. Já as virais, na primavera e no verão.

De janeiro a setembro deste ano, 82 casos de meningite foram confirmados em Mato Grosso do Sul. Se comparado aos últimos três anos, crianças de 1 a 9 anos são as principais vítimas da doença.

O esquema vacinal é dividido com 1ª dose aos 3 meses, 2ª dose aos 5 meses e reforço aos 12 meses.

Pentavalente

Combinação de cinco vacinas individuais em uma, a pentavalente protege contra múltiplas doenças. Na Capital, a cobertura vacinal é de 58%, o que corresponde a 7.419 crianças imunizadas – 5.321 seguem com a dose atrasada.

A vacina protege contra as doenças invasivas causadas pelo Haemophilus influenza – sorotipo B, contra meningite e também contra a difteria, tétano, coqueluche e hepatite B.

Desde 2012, o PNI (Programa Nacional de Imunizações), do Ministério da Saúde, oferta a vacina pentavalente na rotina do Calendário Nacional de Vacinação. O esquema vacinal é dividido da seguinte forma: 1ª dose aos 2 meses; 2ª dose aos 4 meses; e 3ª dose aos 6 meses.

Em agosto, a Bolívia, país vizinho a Corumbá, registrou um surto de coqueluche, uma doença infecciosa aguda causada por bactérias. Com o surto no país vizinho, a doença chegou a Mato Grosso do Sul, com três casos confirmados.

Poliomielite

Outra vacina que segue com baixa cobertura e gera preocupação é a da poliomielite, que protege contra a paralisia infantil. O percentual de bebês vacinados em Campo Grande é de 58%, o que corresponde a 7.443 crianças. Já o número de crianças com a dose atrasada é de 5.297.

Em abril deste ano, um bebê indígena da cidade de Loreto, no Peru, foi diagnosticado com poliomielite. O caso gerou grande preocupação nas autoridades de saúde brasileiras devido à proximidade da fronteira do país com os estados do Amazonas e Acre.

Vale ressaltar que o último caso de poliomielite registrado no Brasil ocorreu há 34 anos. No entanto, a baixa cobertura vacinal aumenta os riscos da reintrodução da doença no país. Desde 2016, o esquema vacinal contra a poliomielite passou a ser de três doses da vacina injetável – VIP (2, 4 e 6 meses) e mais duas doses de reforço com a vacina oral bivalente – VOP (gotinha).

Hepatite B

Existem dois tipos de vacina contra Hepatite B destinada a crianças com menos de um ano. A primeira deve ser aplicada nos primeiros 30 dias de vida dos bebês, na Capital, 63% do público-alvo recebeu o imunizante, 8.059 crianças. O total de bebês que não receberam a vacina é de 4.681.

As demais doses foram aplicadas em 7.419 crianças, cerca de 58% do total. Ainda restam 5.321 crianças aptas a se vacinarem em Campo Grande.

A vacina protege contra infecção do fígado (hepatite) causada pelo vírus da hepatite B, além disso, quando aplicada nas primeiras 12-24 horas após o nascimento ela é eficaz na prevenção da hepatite crônica.

O esquema vacinal se constitui de três doses, com intervalos de 30 dias da primeira para a segunda dose; e 180 dias da primeira para a terceira dose, sendo aplicada, portanto, aos 2, 4 e 6 meses de vida.

Tríplice Viral

A vacina tríplice viral protege o paciente contra três infecções causadas por vírus: sarampo, caxumba e rubéola, disponível para crianças a partir de 12 meses de vida. Em Campo Grande, a cobertura vacinal em crianças até um ano é de 63%, cerca de 7.978 vacinados. Ou seja: 4.762 crianças estão com a dose em atraso.

É considerado protegido todo indivíduo que recebeu duas doses das vacinas na vida, com intervalo mínimo de um mês, aplicadas a partir dos 12 meses.

Saiba Mais