Lado a lado, Evanir Carvalho de Souza, de 60 anos, e a mãe, Leonilda Rodrigues de Oliveira, são veladas em Campo Grande nesta quarta-feira (29). Na despedida, marcada pela dupla tristeza, familiares desolados ainda tentam assimilar os sentimentos que cercam as perdas trágicas em um espaço tão curto de tempo.

Filho de Evanir, Hemerson Carvalho de Souza, de 35 anos, disse que a avó estava internada há cinco dias e que a mãe foi vê-la às 12h, no horário de visitas. No entanto, pouco depois de deixar o hospital, recebeu uma ligação da pedindo para que retornasse. 

“Eles não disseram o que era, só que ela tinha que voltar. Ultimamente minha mãe estava muito preocupada porque os já avisaram para a gente se preparar, que eles estavam fazendo de tudo, mas ela podia morrer a qualquer momento”, lembra. 

Não houve tempo para que Evanir chegasse. No caminho, foi atropelada por um carro em meio a Rua Rui Barbosa, a poucos metros do hospital para onde seguia. “Depois a gente soube que a Santa Casa chamou porque um irmão dela tinha chegado lá”, esclarece. 

Na madrugada, enquanto a família se preparava para sepultar Evanir, Leonilda também morreu. Hoje, as duas foram veladas no mesmo espaço e também serão enterradas juntas. 

“Não pediu desculpas”

Nora de Evanir, Elaine da Silva Carvalho, de 32 anos, diz que as últimas horas foram uma tragédia para todos. “Toda a família está em choque”, comentou. Acostumada a andar pela cidade na companhia da sogra, Elaine lembra que Evanir sempre foi cuidadosa, mas estava transtornada com o estado de saúde da mãe.

“Se faltavam cinco minutos para o sinal fechar, ela não atravessa a rua. Acha que ela atravessou fora da faixa porque estava muito transtornada por causa da mae”, explica. 

Desde a confirmação da morte da sogra, Elaine fez questão de ir até a acompanhar o registro da ocorrência. Lá, encontrou com a motorista de 48 anos que conduzia o carro que atingiu a vítima. 

“Quem atropelou não foi capaz de olhar para nós e pedir desculpa, não teve humildade e nem perguntou se precisávamos de algo. Ficamos tristes porque a mulher estava lá sentada e nem tentou justificar, não falou se tentou frear ou não”, completa. 

O acidente

Evanir morreu atropelada na tarde desta terça-feira (28), na Rua Rui Barbosa, em Campo Grande. Ela chegou a ser reanimada por equipes do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), mas não resistiu.

Imagens de câmera de segurança mostram o exato momento que Evanir é atingida pelo carro, um Renault Captur branco, conduzido por uma motorista de 48 anos, que tentou desviar, mas não conseguiu. A motorista recusou fazer o teste do bafômetro.

No vídeo é possível ver uma mulher de vermelho atravessando a Rua Rui Barbosa, fora da faixa. Assim que ela chega à calçada, Evanir é atropelada enquanto também atravessava fora da faixa de pedestres.

Evanir foi arremessada e parou alguns metros a frente de onde o impacto aconteceu. Enfermeiros de um laboratório tentaram reanimar Evanir até a chegada do Samu, que seguiu com o protocolo de reanimação sem sucesso.

Segundo testemunhas, Evanir sentiu confiança em atravessar a rua naquele ponto após ter visto a mulher de vermelho, que aparece nas imagens, fazendo o percurso. Polícia Civil, perícia e Polícia Militar estiveram no local.

Saiba Mais